Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


transeuntes 2 edições CATIVA

por vítor, em 01.04.11

 

À venda, quase só, aqui no tasco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

 

Já à venda online. A obra é fantástica. O artista assim-assim. Vale a pena comprar. 1º edição e obra total do artista: criação, capa, paginação.

 

O livro, em si, está barato. Os portes encarecem-no. Mas valerá sempre a pena. O autor, ou seja moi, se o quiser ter, também tem que pagar. E muito mais caro, muito mais caro...

 

Divirtam-se lendo!, é o desejo deste humilde transeunte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:33

Índice de "Transeuntes"

por vítor, em 24.10.06
Índice 1 – O Cabo Santos (8/5/06) 2 – No Bar do Costume (9/5/06) 3 – Um Piolho Sem Cabeça (11/5/06) 4 – O Fogo da Salvação (11/5/06) 5 – Um Homicídio Anunciado (13/5/06) 6 – Um Macho Sem Dez Tostões (17/5/06) 7 – A Cavalo do Impossível (17/5/06) 8 – Um Bilhete para Singapura (18/5/06) 9 – Sabedoria Pentagonal (22/5/06) 10 – Unhas Curtas (22/5/06) 11 – Uma Alface já na Salada (26/5/06) 12 – Um Antropólogo Competente (26/5/06) 13 – Caramelos nas Orelhas (2/6/06) 14 – A mulher Santa (7/6/06) 15 – Bares Esvaziados na Madrugada em chamas (19/6/06) 16 – O crocodilo do Costume (26/6/06) 17 – Um Homem Imóvel (26/6/06) 18 – O Carregador de Almas (26/6/06) 19 – Farejando Notícia (17/7/06) 20 – Dois Castelos e uma Hóstia (30/7/06) 21 – O Triturador (30/7/06) 22 – Um Grito Mercenário (10/8/06) 23 – Viagem de Volta Favorável (10/8/06) 24 – Uma Catacumba Caiada (14/8/06) 25 – Estava Frio na Tarde Poeirenta (22/8/06) 26 – Uma Chaminé Sorridente (6/9/06) 27 – Um Homem que por Acaso Era Eu (7/9/06) 28 – Amizades Bafientas (11/9/06) 29 – Um Homem apagado (11/9/06) 30 – Um Juiz Parcimonioso (21/9/06) 31 – Uma Presa Sem Qualidade (5/10/06) 32 – Nuvens à Esquerda (14/10/06) 33 – São Cinco Horas da Manhã na Cidade (14/10/06)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:36

Fim

por vítor, em 18.10.06

Chegou ao fim o blivro Transeuntes. Pelos sapos-tristes , puderam ver como o fim foi doloroso. Depressão pós- ..? May be . Como o fim é sempre um novo princípio, anuncio-vos, como prometido, o segundo blivro da tríade anunciada: "Partículas"! assim se chamará a nova aventura a iniciar brevemente. Agora as palavras serão servidas sob a forma de poemas. Boa viagem!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:57

São Cinco Horas da Manhã na Cidade

por vítor, em 14.10.06

 

 São cinco horas da manhã na cidade. O vento parou um pouco. Entre as sombras gigantes das árvores, passeio confusamente anos acumulados de solidão.

  É triste a impossibilidade de regressar. Regressar a um lugar onde as coisas se ligavam logicamente, formando um corpo coeso e inteligível.

  As ruas arrefecem do longo dia de Verão, é , no entanto, discutível se eu o sinto, porque não há pássaros acordados na noite.

 A cidade define-se por ter bares abertos às cinco da manhã. Não os encontro e talvez não esteja nela. Ou então, maldosamente, fecharam para me impossibilitar o contacto com os outros.

 Sinto-me observado quando dobro as esquinas sujas da minha mente. É uma sensação agradável, mas  portadora de angústia. Angústia porque sei que nada me pode observar como sou e, muito menos, às cinco da manhã de uma madrugada sem Lua. Há um universo de coisas desconexas entre mim e o que pretendo dizer. Um não acabar de estímulos irreversíveis que nunca vou voltar a lembrar: aliás a memória é um instrumento ao serviço do passado e eu sou um deserto sem vegetação primitiva.

  No cais alguns barcos descansam, sentem arrepios  só de pensar nos anos que o mar lhes vai dar de novo.

 Algumas carcaças, como eu,  sonham com a morte, enquanto se tentam roçar nos ventos húmidos da maresia. Descrever a beleza  é uma tarefa vã. Só os loucos a tentam. É voltar atrás para desnudar o futuro. A transgressão dos tabus é um enorme fascínio, a que sempre se resiste enquanto somos homens livres. Os tabus algemam a vontade à sua violação.

  Começa a levantar-se a luz da madrugada - as cinco horas já vão - e as coisas começam a tornar-se feias. Até talvez os pássaros não gostem da madrugada, e o seu cantar seja o repudio pelo renascer de uma morte , que é o sono.

  A angústia apodera-se das minhas forças já frágeis de ousar desafiar a natureza. Os barcos desapareceram para o mar imenso esperando naufragar, a qualquer vaga, nas escuras profundezas do oceano.

   Olho em volta e as sombras transformam-se em luzes coloridas, horríveis a meus olhos. Até as mulheres, anjos da noite, se tornam reprováveis formas fluorescentes.

  Começa a nascer o dia - de parto normal - e tenho a certeza que não vou encontrar ninguém: a esta hora já os autocarros deviam vaguear pela cidade arrancando as pessoas ao sono. Belisco-me. Não sinto dor e por isso estou seguro que estou acordado. A dor é própria  dos eternos sonhadores, convertidos em pus, nas suas camas de luxo.

 Viro a mais uma esquina virtual, de onde posso espreitar o despontar dos comedores de ilusões. Ali, onde o tempo age de improviso e confessa ter um filho que não conhece , onde embarcam os marinheiros aflitos, não vi ninguém. Então, qual ribombar de trovões, vindos de não sei de onde, surgem toneladas de carrascos enlatados, atirados do alto da pirâmide.

  Respondi-lhes com a coragem possível nos dias de hoje:

-         Desculpem mas não podem entrar na minha casa. Na minha casa só entra gente de bem.

Eu sei que às vezes penso que os outros estão a topar as minhas fraquezas, mas isso, sei-o bem, é uma fraqueza da minha parte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:44

Nuvens à Esquerda

por vítor, em 14.10.06

 

  Nuvens à esquerda. Qualquer coisa entre mim e o Sol poente.

  Tinha um ar tão grave quanto se podia imaginar e mesmo assim sorria. Sorria às coisas. Pronto. Tudo se passou como uma brisa contra a tempestade ( aliás previra-o ). Quantos calafrios a atravessar a noite poeirenta. A vida.

  Apeteceu-me chorar pedaços de carne. Da minha carne.

  Há um mundo a desabar sobre o meu ( que já não chamarei mundo nem terei coragem de apelidar ), com asas grandes a afastar as únicas borboletas que restam do meu amor. Uma auto - estima inútil e nua. Perdi todas as correntes e esqueci todas as portas. Quase todas... ( é próprio dos moribundos agarrar freneticamente um sonho esfaqueado )

  O céu fundia-se como o ribombar dos trovões na mente dos aflitos. Multidões de gritos, como abutres, esperam o cair da noite. À noite as flores entregam-se a si. À noite ninguém assassina flores.

  Não existem recordações de infância onde os sentimentos flutuam em convulsões febris. A minha dor não tem memória, mesmo não podendo imaginar dores sem memória, por isso é irreversível, sem origem. Como a noite que cai...

  Nas asas do sono brincam sorrisos rodopiando eternamente ao vento.

  Há nuvens à esquerda incapazes de me tocar, receando perder a capacidade de estar sós.

  Perdão, a noite cai. O Sol, e eu, vamos para o outro lado da penumbra.   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32

Um Raro Transeunte

por vítor, em 05.10.06

Um raro transeunte  que, nas suas deambulações tortuosas, passa pelo quintacativa manifestou-me o seu desagrado pela longa espera por novos "posts ". Bom, estou a fazer render o peixe. O livro Transeuntes está quase no fim, e dá-me especial gozo fazê-lo esvair-se gota a gota até ao texto "abaladeiro ".

Porém, o raro transeunte, e um meu fiel leitor, não é senão o grande amigo Pedro Arroio e, assim sendo, sem demoras, cá está um novo conto que aproveito para lhe dedicar.

Já agora, os amigos, de Gouda a Marakech , de Paris a  Amesterdão , da Conceição a Vale da Mula, em  todas a estradas do mundo, esperam com ansiedade o tão esperado romance que este tão raro transeunte tece laboriosamente há tempos...infindáveis para quem espera...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:09

Uma Presa Sem Qualidade

por vítor, em 05.10.06

 

 Atravessámos a rua. Eu bocejava de quando em quando. O polícia, embriagado pelo odor a marginal, seguia calado, erecto e besta. Atirei o fumo para a rua por entre os lábios gretados por ácidos das entranhas. Sentia espasmos harmoniosos, enquanto furávamos pelo olhar curioso dos transeuntes ávidos de violência. Nas varandas cinzentas espreitavam nuvens de olhar compreensivo.

  Irmanados pela complementaridade das vidas, cingidos pelos pulsos, avançámos sem pressas ao encontro do antro húmido e podre de uma esquadra qualquer numa cidade qualquer.

  Um cidadão atravessou a chuva quente, exibindo uma compaixão infinita que me revoltou os intestinos. Talvez fosse um poeta.

  Nas ruas, estreitas e sinuosas, espreitavam janelas e portas descoloridas. Um transístor atirou para a atmosfera balidos de político ferido, enquanto se ouviam aplausos tímidos num terceiro andar mal identificado.

  O metal rompia-me a pele insensível, a memória fazia-me cócegas, porém a imortalidade seguia-nos pelos telhados.

  Chegados ao lugar onde até os anjos sentem respeito pelas fardas, senti-o triste. Triste pela qualidade da presa.

  Fora, ponha-o fora, ouvi o sub-chefe uivar, fora por amor de Deus... mas já que cá está, diga-lhe qualquer coisa ao ouvido. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:48

Um Juiz Parcimonioso

por vítor, em 21.09.06

 

 

 

 A minha estrutura óssea tornou-se mole e regressei a  casa de táxi. Mas os meus problemas não ficaram por aí: na minha ausência a lâmina de barbear havia sonhado alto e os vizinhos chamaram a polícia.

  Fui por isso preso durante o tempo em que o juiz fumou três maços de cigarros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45

Blivro

por vítor, em 15.09.06

Descobri no outro dia que os bloguers quando utilizam este meio para escrever um livro lhe chamam blook. Como sou português e abomino anglicismos tais como air bag, vou passar a apelidar o meu livro "Transeuntes" de blivro (não se riam,não!).

A partir de agora "Transeuntes" passa a ser definitivamente um blivro!

PS: É tão óbvio que de certeza já alguém p descobriu antes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:08


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor