Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


o sorriso da chuva

por vítor, em 23.11.10

 

Dizes sempre alguma coisa antes de contemplarmos o sorriso

da chuva a lamber a vidraça. O cabelo envolve

as palavras frias das pessoas sem ritmo musical

continuando a viajar na lucidez das ausências nunca anunciadas.

 

Dizes o que não traz nome, chave postiça que viola a explicação

simples na revelação da leitura impune, quando

interiorizas o eterno guião da mudança.

 

A tua responsabilidade no crescer do esquecimento

assume-se como rejeição do tempo intransponível. Somos

aquilo que o olhar procura, aquilo que desaparece na mecânica

do desejo acomodado.

 

Rejeitas o que dizes antes de o dizer, exiges a rara leitura

da distância, o sopro do discurso que éramos na

ocasional confusão dos corpos enlutados.

 

Nenhuma agressividade se liberta do que dizes

na acomodação do desejo, na rigidez dos significados

das palavras murmuradas que nos explicam a legitimidade

da  insensível brusquidão da loucura.

 

Podemos dizer, sem exprimir a acomodação dos sentidos,

a irrecusável notícia do mensageiro apocalíptico que nos

surpreende  enquanto paradoxo reunido à mesa

dos  esqueletos brumosos da comunidade.

 

O sorriso da chuva é uma ameaça à necessidade

exasperante dos sinais exteriores de melancolia.

Dizes e não ouves.

 

(Monte Gordo – 23/11/10)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:09

ninguém pode comprar a loucura

por vítor, em 01.06.10

 

os socos nos ponteiros.

A vida passando como um comboio vazio errando nos carris.

A imbecilidade no palco arranca mais aplausos.

O sangue grita alto.

O amor dissolve-se no sangue como açúcar amarelo.

A palavra"tudo" é forte demais.

E o resto apaga-se fumegando.

Caiu o pano e a lua desaparece

ninguém pode comprar a loucura

o vento é um boeing transportando natureza.

Não há diferença nenhuma entre a areia do deserto e a da praia.

O erro está perto demais.

Este carro tem rodas mas não leva a lado nenhum.

Tudo o que se diz é uma mistura de gestos e barulho.

De noite os cegos vêem a lua.

O decote dessa mulher é a fronteira da maternidade.

O som do mar é mais nítido quando não há nuvens.

Todas as cidades deviam ter sono.

O arco-íris é a terceira obra de Pollock

a verdade usa"lingerie francesa".

A terra é uma bola com chantili que o mar ainda nã acabou de comer.

A arte não se envergonha nada, de ninguém.

A música, assim como várias outras coisas entre as quais o sexo, é o meio

de transporte mais rápido, cómodo e seguro para o extâse.

Agora, já não sei nada.

Lennon tinha prazer em deitar a língua de fora e sonhar.

O exemplo mais recente da morte já não se usa.

O melhor perfume francês não é suficiente para disfarçar a podridão.

Umas televisões trasmitem imagem, outras não.

É vulgar dizer-se que chaplin substituiu o pai natal que se tinha

aposentado nesse verão.

A tradição não é velha, pelo contrário, é o exemplo mais jovem da cultura

dos povos que atravessaram o século vinte.

O computador já aprendeu a pedir desculpa quando se engana, mas ainda

não descobriu onde erra e o homem não consegue explicar.

É curioso como há homens que, quando morrem levam o mundo no bolso

e o caixão cheio de projectos.

Não há nada mais simples que o preto e o branco diante do olhar de um louco.

Continua a afirmar que os loucos não devem ser sujeitos ao procedimento que se

toma para com os presidiários, nem este aos mesmos.

A morte que forra os caixotes de lixo não altera os nossos produtos.

O pénis à sua janela vestindo uma camisa de noite.

Os seus sonhos debatem-se numa luta asfixiante entre lençóis.

Há uma frase que diz "Estes lençóis forrando-me o corpo são as paredes de

presídio mais eficaz do mundo".

Há outras frases que falam pouco.

A esta hora deve ser dita.

Nada deve ficar guardado para outro truque.

A poesia deve apresentar-se em palco nua.

O resto entra no segundo acto.

E quando os corações atingirem o "tropo forte" a luz cairá sobre a cena.

Os bastidores nuncam arrefecem.

Adeus.

A cabeça explode.

A caneta para.

 

( Palavras do Rui da Amadora, em dias de 1983, possivelmente no BloodY MarY, da Amadora)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:48

uma loucura rápida demais

por vítor, em 18.07.09

 

depois de finalizar este brutal power-point, dos efeitos especiais aplicados e do seu envio (zipado, sublinhe-se), a loucura irá sempre adelante. posso correr como o Bolt que nunca a agarrarei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:55

o maléfico e o restolho

por vítor, em 14.05.09

 

 

 

 

 

 Enquanto vou escarificando o restolho antigo encontro-me com gente diversa. Hoje foi o maléfico que rasgava as raízes do cereal ao meu encontro. A trajectória não era arbitrária. Era a mim que queria chegar. Deixei-o aproximar-se como se de nada  me tivesse sido possível descortinar. As cicatrizes que sulcávamos aproximaram-se perigosamente e encarei-o corajosamente. O que te leva a roçares os meus sentimentos desprezíveis, atirei à queima-pele. O que ouso é o impossível. É o que não quero nem posso desejar. A ti que ninguém possui nem qualquer dia possuirá. A quem nunca os deuses revelarão compaixão. A ti só pedirei uma palavra que me minimize a curiosidade que fere como brasa a alma que perdi algures. Deixa-me tocar nos sonhos que a penumbra obscurece e inebria. Quantos são os dias que levas escarificando o que resta? Que penas cumpres na imensidão dos elementos, na atómica imprecisão das palavras?

Recuei até poder não. E de longe, protegido pela incontornável panóplia de seres inexactos, dei a resposta que o tempo daria: vem sem medo do devir. Nem deus nem os demónios me entendem. A longevidade da esperança encontrará, um dia, sem espaço nas mentes envoltas em expressões que se contendem na noite, as alvas procissões dos indivíduos sem amor. Escarificaremos as plantas que sobejam da morte anunciada. De onde se levantarão os que alimentam a beleza e o encantamento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:35

Figuras de Proa

por vítor, em 09.12.08

 

A figura de proa  rasga as rudes e imprevisíveis contingências das tempestades. Mas a espuma que nos asperge o rosto é um elixir que nos transporta ao transe absoluto da loucura...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:44

Estratégias de fuga impossível

por vítor, em 04.08.08

 

Afinal não sou um careta que só ouve ópera. E,  dizem-me fontes bem informadas cá de casa, até são portugueses...

 

As noites consomem-se na loucura das insónias transbordantes. Para lá do medo aparecem, por detrás das cortinas do silêncio, caminhos que convidam a simular estratégias de fuga impossível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:14

A Mulher Santa

por vítor, em 07.07.08

 

 

  Afinal que faço nesta cozinha sem parafusos? Espreito a confusão da vizinhança para esquecer o nome dos amigos mais inclinados sobre a minha carcaça. Depois há a história do homenzinho que só tinha memória.

  Uma vez encontrei um homem que sabia falar do passado. Disse: eu só sei que não estou aqui, eu ando a viajar no tempo que já existiu antes de parecer que o é.

  Foram os dois, eu e ele, deslizando por entre as colinas rochosas da consciência. Aonde iremos? Pensei eu, rodeando cuidadosamente o cansaço envolvente. Chegaram a um local onde só se via o mar. Ali, disse ele sorrindo sem abrir os lábios, encontrei um dia uma mulher santa. E depois, como se a vida fosse um pião que nunca rodou. Era um dia soalheiro e o mar levantou-se tarde.

  A mulher agarrou-me a mão e disse-me que fôssemos ver as pradarias da neve onde habitam seres sem forma alguma. Fomos, eu e ele, caminhando até perder de vista. Fomos, ele e ela, até perder de vista, onde esperámos alguns amigos.

  Aquele homem contava-me milhares de histórias por onde nunca ninguém tinha passado e onde a criação era tão estética que não existia. Onde as pessoas eram tanto mais úteis quanto mais inúteis.

  Os amigos chegaram, então, entoando canções tristes e fumando caroços de espingardas. Chegaram e dançámos um pouco. A mulher, que mais tarde o homem soube que era santa, não moveu os cotovelos enquanto a música soou.

  Sentámo-nos, eu e ele, falando por entre as persianas do meu quarto.

  A mulher retirou os lábios. Aspirou-os pelo nariz. Todos experimentámos o mesmo, sentindo os pés a desligarem-se do solo. Sensação tal, só se conhece quando se lêem poemas na cama das mulheres que se amam. O homem não pôde conter-se e saiu de perto de mim. Vi que chorava como se fosse a primeira vez que o fazia. Soube mais tarde que não chorava, sentia o tempo.

  Quando puderam parar as emoções imprimidas pela vivência , um a um amaram a mulher. Depois todos. Depois nenhum.

   Mas o amor não é infinito, perguntei eu, talvez ingenuamente. Não, respondeu ele - ou talvez ela, o amor é o fim da imaginação é o princípio da estagnação dos sentimentos. Quem ama não sente, e aliás, nunca se sabe até onde os rios podem ala(r )gar as terras da paixão. Essa sim, infinita, portadora de dor e angústia. A paixão, meu irmão, assim como a saudade, são forças sem fim e sem começo. Na sua linha de contacto existe tudo o que há de bom. Nessa linha  bamboleiam os loucos. Para além dela, encontramos a morte da arte e o presente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:17


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor