Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Trópicos

por vítor, em 21.02.20

O crocodilo nadou até à margem do rio lamacento e para ali se deixou estar abandonado ao sol. A floresta ondulava na suave brisa da tarde.

Um chapinhar, intenso, próximo fê-lo, a custo, abrir um olho. O outro, esse, geria o sono. Ali bem perto, em contraluz, uma manada de dezenas de gnus chegava-se à água prateada. Pardacenta. Nervosamente, a medo, iam entrando no rio e saciavam a sede que a severa seca da savana impunha. Alguns, descontraindo, banhavam-se demoradamente. Gozando a frescura das águas dolentes. Cá fora, o ar convulso abatia-se por sobre a paisagem desfocada da estação seca. Os cornos emergiam das águas lembrando espadas erguidas acima do clamor da batalha. Exibindo o poder das pontas. O poder dos frágeis. O bluff dos fracos.

Um olho refletia as sombras tremelicantes do cenário. Rolava abarcando o mundo à sua volta. O centro do mundo era aquele olhar sem pressa. A espera é a mãe de toda a sabedoria. “Quem espera sempre alcança”.

O vento soprava na direção da manada e o crocodilo escaldava de desejo, deixando-se enterrar prazenteiramente na lama morna da margem. No lodo vital que tudo acomoda: a vida e a morte: o sonho e a realidade.

E como tudo o que se aproxima da perfeição, e corre de acordo com o desejado, nunca é o que deveria ser, eis que, vindo do lado do vento, se anuncia, com grande algaraviada, de música e gargalhadas, um jipe desse de turistas de safari, carregado de gente jovem e despreocupada, atravessando a vida de forma sulfurosa e incônscia, se aproxima do rio.

Os gnus rapidamente se libertam das águas lamacentas e partem em correria louca e desordenada, sob os disparos incessantes das câmaras dos telemóveis. Disparos inofensivos que registam e congelam os animais em cartões minúsculos. A alegria de uns. Sobrepõe-se ao medo dos outros. A tristeza não é o antónimo de alegria. Existe, no fundo das almas carentes, uma alegria intensa que se alimenta da sua própria tristeza.

- água, disse um.

- água, repetiram outros.

O condutor da viatura, na sombra de um velho imbondeiro, gozando o corpo dos banhistas seminus. No conforto da distância.

Um olho, que refletia a tarde tiritante do cenário, deslizou pela lama esponjosa até ao fundo do rio.

Na tarde tudo se anunciava. Nada do que teria sido, foi; e a vida seria sempre o que fora. Na impossibilidade de se viver outra vez.

 

Monte Gordo, 20/02/2020

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:13

Os corsários regentes

por vítor, em 29.06.18

 

Na periferia da noite, intensa e crua, os corsários regentes das inóspitas paisagens manobram os pardos combatentes da cidade.
Uma mulher velha dança nas ruas desertas, na solidão que desce dos candeeiros lacrimejantes, enquanto o desejo emerge das memórias recalcadas rompendo o passado, gangrenando a carne e estilhaçando os ossos fossilizados.
- Non, je ne regrette rien…
A mulher rodopia tão velha quanto a morte e tão jovem quanto os dias que restarão a quem luta pela irrepetível agonia dos amantes. É bela e não compreende o que lhe chega vindo dos dias sem regresso, de vidas aconchegadas nos corpos dos incautos passageiros da noite. Incautos porque desajustados à inclemente rotina dos dias. À inclemente tortura das horas. Na periferia da noite, intensa e crua, navegam argonautas pelos recônditos acidentes do negro mar, do oceano que encerras em ti e te impede de chegar mais longe.
A mulher velha sente o tempo como se de óleo das árvores se tratasse, como se a calçada lhe prendesse os pés e lhe entardecesse a gaguejante e sinuosa evolução através do cenário da noite fria. Ninguém lhe poderá valer: a aproximação à morte será sempre um caminho feito às arrecuas. O vento, que se apodera de tudo e tudo leva, soprar-lhe-á na face e os seus cabelos ensarilhados apontar-lhe-ão os campos das serpentes caladas que te separam do fim. Andas para trás caminhando para diante, arrastas-te no sentido da música libertadora que te conduz ao fim das palavras. Das palavras silenciosas e vãs, riscando o infinito como cicatriz escaldando a carne, ridicularizando o contrato social, dissolvendo as peias que te envolvem como se fosses uma aranha residente em labirinto concebido e tecido por quem não participa na batalha noctívaga do silêncio. 
A mulher velha dança e dança e dança e dança, e tudo envelhece à sua volta. Dança e viaja à velocidade do tempo que passa, embalada no sibilar doce das mórbidas serpentes e das performances das borboletas assassinas. A mulher que dança, dança na nudez sideral do devir voltando, de quando em vez, à periferia da noite que a todos envolve e a todos seduz. Regressa e exibe, triunfal, a sua juventude resplandecente, retorno ao pecado original onde encontra aquele que não habita a cidade nem nunca encontrara os caminhos que levam ao nada – um homem devastado pelo desejo incontinente do medo. 
Tudo envelhece num vórtice de penumbra na periferia da noite, no limiar do mito. É tarde e nada fará parar a correria desenfreada dos cavalos para a morte. Galopam sem freio rasgando a espessa poeira da noite, galopam sem deixar tatuados os duros cascos na fuligem do tempo. Tudo persegue, e prossegue, o vazio denso da manada. O oco que devagar ocupa o algo que some por entre as mãos postas em prece inútil. Aspirados pela dor que aproxima o abismo, avançamos ensandecidos pelo rasto de luz que a calçada oferta. Rejubilando na noite que se liberta dos entes parasitas que sustentam a cidade. Turbilhão que se afunda no estertor imundo da festa final. Da queda final.
As cobras rastejam, como é da sua natureza, na periferia da noite enquanto um homem que não habitou lugar algum baila, sinistro como faca mergulhando a carne latejante de sangue, com uma mulher jovem. Bailam na periferia do dia que se avizinha. Bailam no silêncio que arrepia.
- Non je ne regrette rien…
Monte Gordo, 27 de junho de 2018

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:26

O homem que nunca sonhara

por vítor, em 14.12.17

 

O homem que nunca tinha sonhado perguntou:
- Que silêncio é esse que te gela os ossos.
A resposta, seca e corrosiva, que recebeu da rapariga sem imaginação, soou como uma praga de libelinhas.
- Quem não distingue a realidade da metáfora nunca chegará ao castelo do homem velho.
E assim se passaram muitos crepúsculos.
Um dia, igual a tantos outros, o homem que nunca sonhara sentiu-se feliz e compreendeu o significado daquele silêncio oco que esmagava como sombra cobrindo as pegadas dos pássaros, a consciência atulhada de sonhos dos outros.
Levantou-se e não conseguia caminhar. Esqueceu-se de como dar passos na direção da noite. Quando um pé abandonava o outro, um desequilíbrio inexplicável tomava conta do seu andar, impedindo-o de ir em frente.
Agora, inerte na luz, a rapariga dos silêncios sentirá que a vida é um sonho na periferia dos pesadelos da solidão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:53


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

tradutor