Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


o sorriso da chuva

por vítor, em 23.11.10

 

Dizes sempre alguma coisa antes de contemplarmos o sorriso

da chuva a lamber a vidraça. O cabelo envolve

as palavras frias das pessoas sem ritmo musical

continuando a viajar na lucidez das ausências nunca anunciadas.

 

Dizes o que não traz nome, chave postiça que viola a explicação

simples na revelação da leitura impune, quando

interiorizas o eterno guião da mudança.

 

A tua responsabilidade no crescer do esquecimento

assume-se como rejeição do tempo intransponível. Somos

aquilo que o olhar procura, aquilo que desaparece na mecânica

do desejo acomodado.

 

Rejeitas o que dizes antes de o dizer, exiges a rara leitura

da distância, o sopro do discurso que éramos na

ocasional confusão dos corpos enlutados.

 

Nenhuma agressividade se liberta do que dizes

na acomodação do desejo, na rigidez dos significados

das palavras murmuradas que nos explicam a legitimidade

da  insensível brusquidão da loucura.

 

Podemos dizer, sem exprimir a acomodação dos sentidos,

a irrecusável notícia do mensageiro apocalíptico que nos

surpreende  enquanto paradoxo reunido à mesa

dos  esqueletos brumosos da comunidade.

 

O sorriso da chuva é uma ameaça à necessidade

exasperante dos sinais exteriores de melancolia.

Dizes e não ouves.

 

(Monte Gordo – 23/11/10)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12

e o Sol brilhará para todos nós

por vítor, em 08.03.10

 

Apesar da chuva cair sem parar há três meses, o meu Sol continua a brilhar e a iluminar os nossos dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31

Um dia destes a chuva há-de voltar

por vítor, em 13.08.09
quando o suor te desce da ponta dos cabelos. quando as areias te escaldam as solas dos pés. quando as noites te queimam os miolos e ardes de insónia. pensa nos ruído da chuva nos telhados e os dias voltarão a ser o que eram antes de te teres deixado seduzir pelo verão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:38

Marginais do Pensamento

por vítor, em 28.10.08

 

 

Olho atrás da janela. Lá fora o frio e a chuva instalam-se sem pressas. ao fundo talvez o mar.

Agora sim, compreendo o mundo. Se me envolvo; sou cúmplice. Mesmo contra. Se não me arregaço e não avanço; pago cara a ousadia. O mundo cai sobre mim elefantino e cego. Na sobrevivência dos dias, sou sugado para o conforto da sociedade. "O conforto da certezas", como dizia o outro.

O big-brother baralha-se perante transeuntes sem telemóvel. Sem cartão de crédito. Sem escolhas binárias. Se não és, não existes. Se és... também não existes. A parte não pode aspirar ao todo. A paixão é única e não admite a dúvida. Não escolhes, nunca desejarás a alegria sem fumo do elemento. Numa estrutura elementar existes como partícula, como tijolo na parede. E és útil. Eficaz como a serradura das mentes saltimbancas.

Ser ou não ser, a eterna incoerência da solidão. Ser e não ser, a incógnita inaceitável dos iluminados. Iluminados pela essência da vida, sem objectivos e sem valores. Contra os insaciáveis intelectuais à babuja dos sistemas. Seres em órbita do senhor seu centro e razão de persistir. Dos risos apocalípticos, da genoflexão neuronal.

A publicidade das ideias releva a ignorância sensível dos deserdados. A estrada que se estende pelo amplo ardor do desconhecido, rasgando-o, violando-o sem sofreguidão, estabelece o eixo oblíquo da loucura enquanto certidão da plenitude  dos tempos.

Por entre as velhas redes institucionais, nos interstícios ocos da risível gregaridade, viajam marginais do pensamento. Viajam sem danificar os ancestrais pilares da moral. Navegando na cabotagem, cruzando as marcas do mundo conhecido como forma de nunca esquecer os entes queridos. Cavalgando as memórias selvagens da História como forma de espalhar o sexo no futuro.

Alguns rastejam em condições humilhantes, até ao assombroso covil das vacas gordas. A lascívia do poder penetra-lhes a pele luzidia e arrasta-os na eterna luxúria do conhecimento. Afinal a base de tudo: do maniquismo brutal que nos oprime, da sensação irresistível de ser livre, da doce carícia da virtude.

Congratulo-me com a inércia dos antepassados que pairam no silêncio das vozes marginais. A marginalidade de hoje foi o centro de antanho, ao contrário do que pensam os cientistas sociais. A solidão estabelece o caos na modorra dos passos que seguem o inexplicável movimento das sombras.

Olho atrás da janela. Lá fora a chuva e o frio gritam sem cessar.

Amanhã, sem pressas, irei comprar um telemóvel.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:38


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

tradutor