Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


todos os sonhos são possíveis...

por vítor, em 09.10.12


Estou cá com uma fezada para o nobel da literatura este ano...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:09

o fedor das entranhas

por vítor, em 24.05.12

 

(…) e continuava escavando,

escavando  a água que lhe escorria do corpo,

do interior da carne devoluta.

Atravessou a profundidade do princípio

através de árvores e pássaros

que o cumprimentaram com tristeza

estranhando a ousadia do cavador

desaparecendo na hiante cratera,

revelando o dentro onde a luz

varre a caverna essencial

para sempre corrompida. Cá fora

amontoam-se entranhas putrefactas

e repugnantes, instalação tempestiva

abrigando o futuro sanguinolento e breve.

A negritude das aves que disputam os escombros

traduz a poesia que se desprende das vozes,

do corpo escalavrado. (…)  e continuou escavando,

escavando o sangue que coagulava na ferida rasgada,

nos socalcos da escuridão que cediam à tristeza

dos citrinos. A lâmina dilacerante faísca

ao encontro dos sedimentos mais sólidos da paixão,

rasgando fraturas na indizível serenidade

dos rochedos fossilizados, desocultando

chagas cicatrizadas no antanho das palavras

ornamentais, esquecidas no interior das faces

labirínticas do corpo.

Argonauta no pus amniótico que envolve

a memória,  entranhando-se num mundo

de vísceras sem retorno, esquece a procura

dos primórdios fundadores da complexidade,

dos dias felizes maternais, afagos hipnotizantes.

As forças faltam-lhe por vezes na profundidade

 das sombras fazendo-o parar. Repousando

nos escombros flamejantes da viagem.

Os amigos recentes ficaram para trás e a claridade

da superfície é já um ténue fio acariciando

as paredes mornas da solidão.

Recomeças a perfuração dos estratos

mais longínquos com uma violência que desconhecias.

Voam fragmentos estranhos e incandescentes

sulcando a memória incompleta. Sentes uma

inusitada ereção perante as fêmeas expostas

que se te cravam na carne. Há mulheres saindo

 das sombras que te saúdam com o sexo húmido,

desafiando os medos acumulados em quartos

sem portas nem janelas, em fragmentos inatingíveis,

arquipélagos no imenso plasma do prazer que te

destrói a caminhada. Uma mulher que fodeste

uma só vez num molhe de uma praia deserta

arrasta uma criança que te olha de soslaio.

Só ingerindo a indigesta carne de cabra velha

poderás comunicar com os espectros

que vão pelo rio em sentido inverso.

Em vão agitas os braços, tentando

tocar-lhes com as pontas dos dedos.

Ultrapassas a cintura do sexo e penetras

um sedimento de lágrimas rasgando a lama

escarlate que emerge da sombra espessa e fria.

Ouvem-se gritos de crianças ansiosas, o vento

cala-se como se a noite se tivesse apoderado

de tudo e não precisasses de continuar a escavar

o que já não entendes como teu. Das vísceras revoltas

e ferventes solta-se um berro de recém-nascido.

O teu caminho chegou ao fim e um gato saltou

 para o berço que te acolhe. O choro para enquanto

o felino se enrosca no leito que é também o da tua mãe.

Resta-te, sem possibilidades de regressar aos teus pensamentos,

escalavrar os corpos dos outros.

 

O espelho não é tão aconchegante, mas revela cambiantes

externos que compensam o rumorejar das entranhas.

 

 

MG/VRSA

22/5/2012

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:04

 

 

 

dirias que a sanidade mental é um pergaminho afixado na parede para ser lido por quem não sabe interpretar as palavras lavradas na pele antiga.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:32

na idade de um senhor que não dorme

por vítor, em 30.07.10

Neurónios lentos cruzando, desorientados, as dentrites labirínticas. Na idade de um homem como eu, a noite que era hoje é amanhã. E agora, que ela acelera, algo que se presta ao fecho da madrugada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:48

a minha vida por um cavalo

por vítor, em 29.06.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29

confortável dormência (demência?)

por vítor, em 07.05.09

 

 

Como é possível continuar a resistir com tanta emoção. Caetano e Dylan juntos.

Vou ali derramar as lágrimas no chão por lavrar e voltarei tão breve quanto possível. Se não for possível , então ficarei a escarificar o restolho enquanto a beleza pairar sobre os que se arrastam na confortável dormência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08

Uma Epifania Anunciada

por vítor, em 13.07.08

 

 

Era uma epifania anunciada. Mesmo assim senti-me como Moisés perante a sarça- ardente, na península do Sinai. Deus chegou, como o anunciado, às 21 e 40. Nunca falou directamente à assembleia. Envolveu-a com parábolas, hipérboles, analogias e outras piruetas retóricas tão bem do agrado dos crentes. Deus antigo, não sorriu. Deus que sabe que só a Sua presença basta, não fez nada para agradar a quem precisa do espectáculo divino.

 

Tinha medo, medo da Sua presença. Nunca tinha estado tão perto de um dos meus deuses. Vivo. Um dos maiores. Ou talvez o maior. Zeus de um panteão não muito extenso.

 

Por norma, basta-me a Obra Divina. O encontro com Deus pode sempre constituir uma desilusão dolorosa e marcante até ao fim dos dias. Lembro-me amiúde da estória do sociólogo Jean Cazenneuve sobre o miúdo apaixonado por uma cantora de ópera, que a segue por todo o lado e que um dia, após um concerto, ganha coragem e invade clandestinamente os bastidores, para a abordar. Quando a encara, esta, está sentada na sanita a mijar. Toda a mágica se esvanece e o rapaz sai espavorido da cena deixando para trás uma mulher atónita. Nunca mais quis saber de óperas nem de cantoras de qualquer género musical. Os deuses também têm caspa...

 

Bob Dylan. Está ali. Um velhinho de vestes ridículas. Pernas abertas e tortas perante um  órgão baixo. São estas pernas que mais interagem com a música.  Uma voz roufenha e hoje incompreensível. Não mexe numa guitarra. Toca músicas que não conheço ou não entendo. As músicas que comigo atravessam os tempos são outras. Só a custo registo a balada de um homem magro (o melhor momento da liturgia). No final, como uma pedra rolante. A pergunta how does it feel, já não soa como uma pergunta. Like a Rolling Stone, já não soa como a resposta. No entanto as lágrimas assomam quando a harmónica soa na noite.

 

Registo com apreço a Sua recusa a envolver-se na sociedade em que tudo tem um preço. Nada de fotografias ou imagens para banalizar o mito. Ou comerciá-lo.

 

Desiludido? Não! Nunca! A um politeísta como eu. Na alma de quem os deuses são homens que se tornaram génios a obra é o que conta. Continuarei a evangelizar até ao fim. A Sua presença basta-me.

 

PS: Metido à  estrada com um filho de 18 anos, este on road again torna-se, por si só, outro momento mágico. Por ele o festival durou da 5 às 3 da madrugada. Eu não duraria muito mais e, quando o consegui sacar do cuduro dos BuraKa, estava à beira da rotura física e mental. Para um quinquagenário misantropo, 10 horas de festivais são demais. No entanto, hoje em que escrevo estas palavras, sinto-me muito reconfortado na minha auto-estima por ter aguentado tanto…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15

Misantropia Irritante...

por vítor, em 09.07.08

Não fora já ter bilhete para o Robert Zimmerman,  para o dia 11 em Oeiras,  e assim ter esgotado a minha cota anual de presenças em grandes confusões,  era ao festival do Sudoeste que iria.

 Dizem que esta menina lá vai estar.

Nneka na Zambujeira do Mar?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:30

Ballad of a thin man

por vítor, em 13.04.08

Resta-me o silêncio envergonhado...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:05


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor