Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


retrato do artista enquanto... velho

por vítor, em 02.08.11

 

O artista a preprar-se para lançar o seu último livro "passagem através do fogo" no chão sagrado do Chalé de Bela Mandil, em Olhão. Convite irrecusável do anfitrião, José Bivar, que recebe os artistas como ninguém.

O bonito foi quando, esta espécie de artista, sacando da provocação nº 37,  alvitrou que a arte não serve para inquietar ou contaminar ninguém. A plateia, quase toda a diminuta plateia, formatada pela corrente redutora dos meios artísticos, fermeu de indignação e malhou no que tem como lema "nunca incomodar"...

Bem, esteve o poeta Rui Dias Simão que não incomodou ninguém. O lançador, contrariando o seu lema, acabou por incomodar. Vá lá que não sacou da provocação 24: "estou um bocadinho farto de artistas, só a obra pode valer a pena"...

Estão de parabéns o Zé e a Joana que tornaram o Chalé no maior centro cultural de Portugal. Este verão, então, tem sido de arrasar. Cada noite é uma noite. O mundo todo a girar à volta deste local de onde se ergue a poeira dos tempos e respira a leveza do futuro.

É pena; às vezes, convidarem artistas tão fraquinhos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:12

artalaia

por vítor, em 16.02.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49

ouviu-se um grito vindo dos montes

por vítor, em 01.07.09

 

 

Quando se rasgam  novas geometrias para lá da geometria social euclidiana. Quando se trilham atalhos nunca antes calcados no labirinto das escolhas já feitas. Quando a estética surge do vazio que nunca ninguém desocultara. Quando o movimento bolina por entre ventos e tempestades usando a sua força para gerar bailados na solidão dos corpos. Quando muitas outras coisas se atravessam nas ruas estreitas e vagabundeiam pelas planícies infindáveis, a estrela que em ti pré-existe desabrocha como uma flor no improviso da vida por cumprir.

 

Pina Baush é uma aparição que deixará para sempre as suas sombras a deambular nas paredes da caverna de Platão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:03

Alfarrobas e Cascabulhos

por vítor, em 05.08.08

 

 

 

 

 

A noite caiu cálida e serena. A casa do Rui encheu-se de gentes que não se rende.  Gente vinda de outro mundo que caminha para outro mundo,  enquanto agita este mundo. As noites destas gentes rasgam caminhos sinuosos que traçam riscos de solidão nas vidas incompletas. Nada pode prever os ziguezagues apocalípticos, as longas rectas sem destino. As palavras são cruéis e imprevisíveis, mutilam e abrem brechas nas crostas ideológicas da multidão. Vergastam a pele dos que sentimos mais próximos. As mudanças indispõem os organismos e são a força vital da sobrevivência. A mudança é a vida e predispõe a morte.

Na noite cálida que lavrou o tempo, o cálice ergueu-se pingando o vinho e tilintou nas esperanças da recusa de eternidade. A velhice saiu à rua e gritou aos ouvintes incrédulos a impossibilidade de regressar a casa. À casa dos teus avós. À genealógica euforia do devir. O mar entranhou-se, sem estranhezas, na confusão dos espíritos perplexos e aspergiu gritos de aflição na vizinhança amortalhada: a reacção foi desproporcionada à acção. Gente, que ninguém soube de onde vinha, envolveu-se na contenda do cálice e das palavras. Abafaram-se ideias de lucidez feroz. Louca. Os amigos enervam-se quando nascem profetas fora de prazo. Profetas que conhecem os meandros das consciências estagnadas. Das consciências marcadas pela violação dos direitos adquiridos no super mercado   da sabedoria empacotada.

A casa do Rui flutua na noite. Enquanto os argonautas se digladiam na planície repleta de sombras, o anfitrião serve pérolas em cascabulhos roubados à lama escabrosa das almas inquietas.

As calmarias surgem na madrugada quando a conversa se concentra  num chão pejado de alfarrobas.

 

(PS: Não ligar à conversa mole deste vosso criado. As noites-da-casa-do-rui são monumentos rituais celebrados em honra de Baco)

(PS1:Este texto, que saiu de rompante à velha maneira surrealista, é dedicado  ao Adão que  tudo filma, compõe e edita e que nunca aparece)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:30

Foi só um jogo de futebol

por vítor, em 19.06.08

 

É arrasador... mas apenas mais um jogo de futebol.

 

Agora, que vença a laranja mecânica. Não é por estarem  a jogar um futebol mágico, porque elevam a arte aos píncaros da genialidade, é porque a Holanda sempre foi  a minha segunda selecção.

 

PS: Não há nada totalmente mau. Escapei-me a uma caravana barulhenta até às tantas. Os filhotes, que já tinham bandeiras e cascóis preparados, é que ficaram de beicinho... 

PS1: Esta enorme desilusão tornará mais fortes as emoções que O Glorioso trará aos seus crentes na próxima temporada. A primeira missa será no Torneio do Guadiana, em Vila Real de Santo António, já em Julho. Lá estarei mais os dois crentes cá de casa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

 

Bartolomeu Cid dos Santos, um dos nomes maiores da gravura europeia, faleceu hoje em Londres. Vivendo e trabalhando parte do ano em Tavira, foi responsável pelo dinamismo dos últimos anos da Casa das Artes e pela sua oficina passaram dezenas de jovens que beberam sofregamente as lições do Mestre. As sementes continuarão a brotar...

 

Amante da cidade, deixou como desejo  que as suas cinzas fossem lançadas no seu amigo Rio Gilão.

 

Lá o continuaremos a acompanhar subindo e descendo ao ritmo das marés. Tavira estará com ele e ele com a cidade até ao fim dos dias.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:47

Tertulia de Despedida a um Amigo

por vítor, em 12.05.08

Valdir "Bugiganga" regressa ao distante Paraná. "Pé-Vermelho", volta às terras vermelhas de Londrina.

 

Depois de alguns meses no Algarve e no Alentejo onde frequentou formação teatral, foi actor, encenou uma obra sua e animou tertúlias e encontros de poetas, deixa o nosso país que foi pequeno demais para o acolher. Os horizontes sem fim do Paraná falaram mais alto... Com o seu coração do tamanho do mundo, deixou nos muitos amigos feitos em tão curta estadia uma saudade que fará para sempre a ponte entre as duas margens do Atlântico.

 

No palacete semi arruinado de Bela Mandil (perto de Olhão) a noite foi longa e bem regada. Valdir declamou e "voltou" aos seus tempos de menino e moço encantando com as suas aventuras nas terras vermelhas de Londrina. Aventuras de pobreza, alegria de viver e desenrascanço incompreensíveis para europeus aburguesados, mas absorvidas com emoção incontrolada e lacrimejante. Porque será a miséria e a atroz luta pela sobrevivência quotidiana tão bela e magnética?

 

Outro momento alto da noite foi a apresentação de um longo travelling de telemóvel feito pelo inenarrável Lucas, no bairro da Barreta em Olhão. Uma viagem de bicicleta pelas apertadas e sinuosas ruas da cidade das açoteias. Uma obra única e de arrepiar.

 

Como tinha ido de carro de Tavira para Olhão não  pude acompanhar  a embalagem dos vapores etílicos que se estendeu pela madrugada dentro. Retirei-me pelas duas da manhâ, perdendo, com certeza, o melhor da noite. Tive ainda tempo de registar no telemóvel duas ou três fotografias de péssima qualidade que vos vou deixar.

 

Valdir "Bugiganga", o Pé Vermelho de Londrina...

 

 

 

Fernando Esteves Pinto, romancista, poeta e meu sócio na editora 4 águas...

 

 

Rocha, o performer e animador de tertúlias no Café Aliança e no seu Marafado, na Rua do Crime...

 

 

José Bivar, o anfitrião. Descendente de El Cid, o Campeador, monárquico, neo-ruralista, artista plástico, criador da famosa Bienal de Faro e o homem que inventou a Rua do Crime e a sua primeira e mítica âncora: os Lábios Nus...

 

 

 

Nunca é demais referir a presença do grande Lucas e também do artista plástico e blogger Adão Contreiras, que registou tudo em video, entre outros e outras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Criador e Criatura

por vítor, em 11.03.08


A vida, não faz sentido sem a morte. Paradoxalmente tudo fazemos para fugir a esta última. Uns escolheram o embuste já há muito traçado: a religião. Enganam a si próprios crendo numa vida eterna e bem melhor do que a sacrificada que levam, para além dela. Virgens e outros petiscos assombrosos os esperam pós-morte . E quantos crimes se cometem procurando uma passagem rápida para este mundo sensacional sem sensações. Sem sensações porque sem o bem não existe o mal. Num mundo paradisíaco não há festa, nem rito, nem mito. sem rupturas persiste a morte. A vida no "céu" é, assim, a confirmação da morte. Outros tentam, desesperadamente, sobreviver através das suas criaturas. se as criaturas têm memórias (são vidas), pode-se prolongar a vida depois da morte. Familiares, amigos, inimigos e simples conhecidos transportam-nos mesmo depois dos bichos terem começado o seu trabalho após o último suspiro. Mas estas criações efémeras depressa nos seguem no caminho sem retorno e com elas morremos outras vezes. Mais uma vez a morte nos é favorável: quantas mais vezes morrermos mais tempo persistimos vivos. Finalmente os desafiadores da morte que através da criação artística pensam livrar-se da velha senhora. Estes crêem que as suas criações serão o garante da sobrevivência histórica. Quanto maior a criação, maior (e melhor, diria eu) será a viagem pelos labirintos da existência. Fecha-se o círculo. A arte imita a religião. O eterno encerra-se no fim. A criação e o criador, o grande criador, frente a frente nos confins da planície eterna. No vazio estéril da unicidade. No retorno (eterno) ao tempo antes da vida. No regresso ao aconchego da não existência. A criatura autonomiza-se e rejeita o criador no momento da "ultima cinzelada". Seguem caminhos diferentes e por vezes antagonizam-se e anulam-se. A sobrevivência da criatura não transporta a imortalidade do criador. Nem mesmo quando a criatura se torna num mundo dentro do mundo e se impõe como parte da história da humanidade. O artefacto artístico, aliás, não existe em si. É apenas um feixe de sensações na psique dos que os apreciam. Uma miríade de complexos que os sentidos peneiram e revolvem até ao destino final, mas não último dos vivos. Quando ouço as sinfonias da Beethoven, não reconheço nelas um velhinho surdo e triste . Quando admiro os "Girassóis" de Gog , nunca me sinto transportado à húmida e sombria juventude do seu criador, nós férteis polders dos Países Baixos, quando me envolvo nas palavras proféticas de Pessoa, não vejo um ser andrógino esgazeado pelos vapores do álcool. Ao contrário de Camões, não entendo a arte e a glória como uma forma de libertação da morte. Penso na vida mais como um "filósofo politicamente incorrecto ": " Cago na imortalidade sem corpo"!

(texto meu que agradavelmente encontrei num blogue brasileiro e que acho interessante repostar)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:25

Imortalidade

por vítor, em 14.02.08


A imortalidade sem corpo é uma crença de cobardes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:28

Eu hoje adormeci assim...

por vítor, em 21.11.07
Como dizem a maior parte dos portugueses (e provavelmente os outros "eses" por esse mundo fora) inquiridos por um canal televisivo qualquer: não tenho palavras! Melhor que isto só a minha primeira participação num torneio federado de veteranos escalão 45/55 anos. Como outsider coube-me em sortes um cabeça de série. O resultado, de um jogo brilhante, foi de 6-0, 6-0. Adivinhem quem levou a taça...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:06


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor