Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Embora vizinho da cubista cidade de Olhão, já há alguns tempos que por lá não passava. Hoje atravessei-a pela estruturante "rua" 125 e qual não foi o meu espanto  quando ao passar na zona do velho Estádio Padinha* não o ter vislumbrado. Em lugar das velhas ruínas das fábricas conserveiras que o limitavam a Sul, uma vedação metálica envolvia o espaço sagrado daquele pelado mágico. Na mesma vedação o futuro: Ria Shopping . Mais do mesmo. Um espaço insonso para parolos sem sonhos. Os promotores do novo buraco negro de afecto e integridade, é claro.

Neste estádio  joguei dos mais belos desafios da minha juventude e tive a oportunidade única de conviver com alguns  dos meus ídolos de sempre. Quando o meu Desportivo Tavirense (até se me arrepia a penugem) se deslocava à terra vermelha do maravilhoso pelado,  para enfrentar o mítico Sporting Club Olhanense, aos Domingos de manhã (começo sem falhas às 11), quando à saída do balneário nos deparávamos com os "cromos" da bola que começavam a chegar ao balneário para o desafio da 1ª Divisão, da tarde ou quando me deslocava, fim-de-semana sim, fim-de-semana não, para os grandes desafios do meu Glorioso e dos outros grandes do futebol nacional, aos Domingos à tarde. O fim-de-semana não estava destinado às deslocações ao Estádio Municipal de S. Luís,  9 quilómetros ao lado, onde se exibia o grande rival dos olhanenses, o Sporting Club Farense. Todos sporting ,  mas todos desculpados pela admiração sem fim dum jogador apaixonado. Como tinha cartão de jogador de futebol e passe de comboio porque estudava no liceu de Faro, assistia a todos os jogos do Farense e do Olhanense em casa, sem pagar um tostão.

Como vos disse o Estádio Francisco Padinha* *  já só existe na memória dos que o gozaram até não poder mais, dos que não perdoam a trágica perda e dos que sentiram os travessões e os pitões a agarrar na aveludada terra vermelha. Até a torre de tijolo de burro da fábrica se foi. Aqui onde, por décadas fizeram morada gerações de cegonhas das quais se dizia dependiam os resultados da equipa da casa no seu terreno. Se as cegonhas tivessem no ninho, o resultado seria a contento da equipa da casa, se andassem a petiscar nas lamas dos sapais da Ria, quem  petiscaria seriam os visitantes. Ao menos a alta e esguia palmeira junto aos balneários ainda lá está aspergindo a memória dos que a não respeitam

Não resisto a contar-vos um episódio que, por insólito, me marcou até aos dias de hoje e de sempre. Jogava O Glorioso no pelado do Padinha* um prélio importantíssimo contra o também glorioso SCO . Lotação a 150%, jogo intenso nos primeiros minutos. Guaraci ,  defesa central olhanense,  um guarda-fato da cor do carvão, vindo dos confins do Nordeste (aqui se calhar estou a exagerar, ou é o tempo que o está) dirige-se, qual panzzer , na direcção de uma bola que entra na sua grande área. Na direcção da mesma bola dirige-se, não menos veloz, o gracioso e frágil Nené O choque dá-se em plena meia-lua (estarei a exagerar outra vez na precisão GPS, ou é o tempo que está?) milhares interrogam-se sobre a integridade física do jogador encarnado. Quando o pó assenta, Guaraci está mais imponente do que nunca, Nené (está vive, está vive!) parece um zombie, não sabe o que lhe aconteceu, no entanto mantém, como sempre, os calções religiosamente brancos. Outra figura negra dirige-se agora imperativamente para a poeira suspensa, na zona frontal à baliza. É o suspense total. Leva o braço levantado aos céus e na mão fechado um cartão vermelho agressivo e soberano. Sem hesitações , exibe-o a um ainda apatetado  Nené que,  educado no cumprimento das leis, o aceita humildemente. Nas bancadas os risos, os aplausos e os assobios. O homem de negro introduz o ígneo  rectângulo no traseiro, salvo seja, orgulhoso. Onze rubi-negros contra dez  vermelhos (não me lembro bem o ano - 1976?- mas era certamente pós-25 de Abril). Iria o Olhanense impor a sua superioridade numérica? Sol de pouca dura. O Glorioso, comandado por esse génio de relvados e pelados que dava pelo nome de Vítor Baptista, alavanca-se para uma exibição estratosférica e cilindra os algarvios por sete bolas a uma. Nené, banhinho já dado, sorria no banco.

Foi de certeza a única vez que o jogador dO Glorioso foi expulso ao longo da sua longa e brilhante carreira. Mas a sua conduta irrepreensível não ficou manchada com o episódio. Até, dizem alguns, o envaideceu bastante. Uma pitada de sal numa biografia que até chateava de tão certinha e previsível.

*
O Estádio Padinha* (assim designado em homenagem a Francisco Padinha* * , um grande atleta de Olhão, campeão de luta e de pesos e halteres), inaugurado a 29 de Março de 1923, foi utilizado até 1984, quando o Olhanense se mudou para o actual José Arcanjo. Ali jogaram até à presente temporada as equipas dos escalões jovens, que vão agora mudar-se para o Estádio Municipal (piso sintético).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:09


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Manuel Ramos a 09.10.2007 às 22:33

Obrigado, Vítor, pelas memórias que me trazes do velhinho Francisco Padinha que da açoteia do prédio (Martins, do Gelo) da minha casa quase me oferecia meio estádio. E que dizer da romaria que atravessava os largos passeios da Av. Bernardino da Silva em dia de jogo!? Pelas caras dos que regressavam logo se ficava sabendo o resultado. Dias grandes eram os do Olhanense/Farense:
eram dias para desforra dos "Carecas".

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor