Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Uma Viagem ao Contrário

por vítor, em 09.09.07
Há alguns anos que rumo, por volta da última semana de Agosto primeira de Setembro, ao Carvalhal, na costa alentejana. Viajo ao encontro de um velho amigo que aí passa, religiosamente, 15 dias de férias com os 3 filhos. Costumo viajar com os meus dois filhos ( que a minha mulher não está muito virada para viagens ao passado e, sobretudo, para os copos que a nostalgia impõe) e passar um ou dois dias de intenso convívio com passeios pela praia, grandes jantaradas e, com os miúdos já deitados, longas noites de copos e conversas profundas sobre amigos, o passado, o presente, o futuro, a Antropologia, mulheres e outras palermices que, sinuosamente, emergem do conforto anestesiante do álcool  e da generosa hidra da nostalgia.

Este ano os filhos, possuídos pela estupidificante espuma da adolescência, alegaram valores mais altos para não poder acompanhar esta romaria. Ainda lhes acenei com as magníficas bifanas do Cercal, degustadas o ano passado, mas foram implacáveis: tinham assuntos mais importantes a resolver na santa terrinha. Como tal vi-me impelido a caminhar sozinho rumo às areias da bacia sedimentar do Sado.

Subitamente um bichinho que em mim habita e que às vezes me canta e encanta com velhas canções de estrada e viagem, sussurrou-me  ao ouvido algo que me agradou de sobre maneira: a viagem solitária é a verdadeira forma de encontrar a alma. A aventura liberta e catapulta a criatura que sedimentou nos doces e pegajosos braços da classe média. A aventura é a vida. O caminho faz-se...

E assim peguei na minha velha Honda 400 e com um saco cama e uma pequena mochila com uma mudas de roupa, atirei-me à estrada. A velha máquina nipónica, desde o nascimento do meu primeiro filho (17 anos) mais habituada a longas estadias em garagens e armazéns do que ao ronronar no asfalto, não me merecia grande confiança. Se me avariasse no caminho estava decidido. Mandava-a por uma ribanceira abaixo e seguiria de táxi. Afinal, ao contrário que tinha acontecido em longas viagens no passado, a alternativa paga para continuar sem sobressaltos estava à distância da carteira ou do cartão magnético nos bolsos.

E como aventura é aventura, resolvi percorrer alguns lugares onde tinha vivido alguns dos melhores anos da minha vida de jovem inconsequente: Via do Infante, de Tavira a Lagos, subida pela costa vicentina com paragens em Aljezur, Odeceixe, Vila Nova de Mil Fontes, Malhão, Porto Côvo , Sines, Santo André (onde ainda vivi um ano) e Carvalhal. Para baixo optei por apanhar a estrada nº2   e reviver o passado nas curvas da serra do Caldeirão, que durante tanto tempo separou o Algarve do resto do país, e que conheci bem de inúmeras viagens à Cruz de Pau (Seixal) para onde tinha ido viver o meu irmão.

Nesta dorsal alentejana fiquei bem impressionado com o que vi. Aljustrel, Castro Verde e Almodôvar pareceram-me terras dinâmicas e com espaços públicos muito bem tratados. É claro que o tempo para um café ou uma mini com torresmos não é suficiente para tirar conclusões bem fundamentadas mas não me pareceu ver aqui um Alentejo  a agonizar. Também na Serra do Caldeirão vi terras lavradas sem pastos e sobreiros bem tratados. Talvez por isso o fogo não tenha andado por ali este Verão.

Escusado será dizer que cheguei a casa remoçado e cantando ao vento. Ainda por cima fui recebido como Ulisses vindo da mais aventurosa das Odisseias.

(deixo-vos alguma fotografias da odisseia)


O vento da costa alentejana é uma riqueza.

Amigos para sempre!

Palitos marroquinos nas bermas da estrada.

Minas de Aljustrel.

Nas longas estradas do Alentejo.


Capela Real em Castro Verde.

Cheirinho a Algarve ainda no Alentejo profundo...

O descanso da velha senhora...

Curvas da Serra do Caldeirão, as mesmas de sempre. Pura adrenalina sobre duas rodas. Não aconselhável...

Pra cá do Vascão mandam os que cá estão!

A melhor cortiça do mundo.

Guerra das estrelas no pico da Serra do Caldeirão.


O regresso de El Solitário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:41


1 comentário

Sem imagem de perfil

De carvalhanense Praticante a 10.09.2007 às 12:26

Só me alegra a alma saber que a viagem te proporcionou esse momento em que nos sentimos bem com um intenso cheiro a Liberdade e Amor à Nossa Terra.
Depois da despedida,tive de voltar atrás porque me esqueci de pagar as sandochas!

Kubrir for ever!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D