Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



da arte de empilhar esterco

por vítor, em 17.04.12

Quando se anda na rua, não tem problema. Retiras o macaco, rola-lo entre o polegar e o indicador e, quando já perdeu a humidade e não cola aos dedos, atira-lo, redondinho, para o chão. No automóvel, o processo é quase o mesmo. Só tens que abrir o vidro da janela e aventá-lo ao caminho. Não tem problema. As caretas que ofereces aos transeuntes enquanto pescas no estreito túnel não se distinguem das caras que se confundem nas vidas sem sentido.

O pior é quando as obstruções sólidas das cavidades nasais acontecem na cama. Na horizontalidade do sono ou nas convulsões da insónia e do sexo. Há já algum tempo que resolvi este problema. Dedo indicador revolvendo o habitat onde se criam os entes viscosos, unha em função de anzol retirando o inquietador, operação desumificadora com a sua rotação, já referida, entre o polegar e o indicador e … redondo, redondo, colocação do macaco extraído em cima da mesa-de-cabeceira. Ao lado dos livros incompletos, do relógio e dos anéis.

Quando o montante atinge quantidades incompatíveis como regular funcionamento de uma mesa-de-cabeceira, fora pela janela. Escusado será dizer que um monte de macacos se acumula do lado de fora da janela quase até ao parapeito. Parece uma obra plástica saída de um museu de arte contemporânea. E até fica bem no conjunto pimenteira-bastarda, pinheiro, buganvília, que assomam à janela. No entanto, não sei bem o que lhe faça. Ontem, o vizinho, o da barba azul, um homem estranho e educado, pospôs-se-me comprar o monte de macacos inertes. Rejeitei categoricamente. Vender algo que é meu e acumulei com tanta paciência e tempo, não me pareceu boa ideia. Mas passei o resto do dia e o que já passou do de hoje a meditar sobre as ideias do meu vizinho em relação ao destino para aquele monte de esterco. E, agora mesmo, alavancado pela febre da curiosidade que me é própria, decidi, sem pensar, vender-lhe o que me saiu do corpo e tanto tempo levou a edificar. Só assim poderei saber o destino que lhe está reservado.

 

M.G. 10/04/12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49

nunca teve importância

por vítor, em 10.04.12

 

Não tem importância, nunca teve,

é uma gramática da pele, irrompe

sempre que as calmarias assentam

na reflexão contemporânea do olhar.

 

A importância das coisas é, ainda,

o panorama do silêncio para além das paredes,

conversa publicada no obrigatório confluir

das cerejas mordendo a própria língua.

 

Na tua luz a minha fala não tem

importância, filha da puta zurzindo

as ameixeiras que cada escritor ama.

 

Regressas à terra onde os gambuzinos te

inspiraram as primeiras, e únicas, palavras,

à terra que apenas existia debaixo

dos teus pés, à terra fragmentada

 no imaginário inquieto das traseiras

do teu quarto. Porra! Eras um miúdo

distraído, cantarolaram as velhas

da aldeia atirando as orelhas para

o interior das almas fedendo a antanho.

A trilogia nauseabunda, extirpada

por arqueólogos assassinos que procuram

o mal oculto nos corpos, cega a vida virtuosa,

as pontas soltas dos devir: passado, presente e

futuro numa amálgama coberta de pó. O jogo

completa-se quando se juntam aos arqueólogos

assassinos companheiros vindos das profundezas

dos abismos dedilhando teclas de pianos “au menier”.

Foda-se, disseram em uníssono os escavadores de projetos

adiados: mineiros, autopsiadores, coveiros e poetas.

Escancararam portas para o profundo e iniciaram

 uma digressão pelo mundo das sombras, questionando

o velho e o novo que se esvai em ninguém.  Em

perguntas estéreis que ecoam nos complexos

jardins de carbono, viajando na infância precária.

 

Na comédia instrumental que percorre a noite

só os coveiros conseguem resultados tangíveis

e metamórficos: teorias da morte ou deriva das

paixões. A terra que volta a cobrir

o que confundiu a paisagem dos desafinados

caminhantes das sombras, xamanes da putrefação

 divina, revela uma única verdade,

só uma, que amontoa escombros  nos corpos

intumescidos. Só o poeta engole a última garfada:

o assassino da vida escassa, das asperezas da língua

silenciando o amargo estertor do sonho.

 

Não tem importância nenhuma, nunca teve.

Amém!

 

M.G.  10/04/12

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:24


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor