Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



navegando na noite sem fim

por vítor, em 25.05.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:45

o sorriso da loucura

por vítor, em 19.05.11

Deu-me uma branca e esqueci o meu nome. A mania

que imaginara enquanto enfiava a roupagem

do lobo mau, fez-me detestar as cócegas que os filmes

de polícias e ladrões me presentearam.

Na ginástica, ninguém saltava mais alto que eu, dizia catapultando

o corpo por cima dos automóveis engarrafados.

Deu-se-me uma branca e o queijo que roía, distraído, não

me sabia a nada.

Olá!, atirou-me o anúncio da pepsodent. Gosto

 de gajas e a mulher do sorriso branco desafia-me

os instintos que adquiri na selva. Foram baratos

e, por isso, voavam sobre rios e precipícios. Às vezes

era preciso ser campeão de espeleologia para aceitar os convites

da vizinha antes do anoitecer. Mal transpunha a porta

via a loira pepsodent e esquecia-me da vizinha boazona

que me outorgara o convite. Começada a brincadeira

 com a outorgante; que não tinha olhos azuis, nem cabelos loiros,

nem sorriso uniformizado; ficávamos tão felizes que os corpos nus

pareciam saídos de um documentário sobre lontras no pacífico sul,

ou de uma telenovela mexicana em tempos de crise.

Grandes tempos aqueles! O que dava pena era ver o marido

 e o papagaio a brincar às gaiolinhas enquanto esperavam o jantar.

 

Queres ir ao circo?, perguntou-me ainda o papagaio antes

da minha saída pela escada de incêndios.

Não, obrigado, e… boa noite senhor doutor.

Pareceu-me entristado,  o cumprimentado anfitrião e vizinho

dedicado: o trabalho de doutor devia ser um bocado chato,

concluí, puxando o fecho eclair até acima.

A vizinha atarefada controlava os tachos quentes

na cozinha nublada.

 

Deu-me uma branca e nem sequer a minha identidade reconheço.

Aliás o que vira na televisão era uma mancha branca

Por entre os lábios da confusão.

 

MG 19/5/2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:49

o tempo que falta

por vítor, em 14.05.11

 

Fernando Esteves Pinto, depois do lançamento do romance "Brutal", em grande com um novo livro de poesia. A capa é linda, espero ansiosamente tê-lo nas mãos. O meu amigo e sócio é já o escritor do ano de 2011 em Portugal. E o ano ainda só vai a meio...

 

Texto escrito semi automaticamente sobre a poesia de FEP:

 

Fernando Esteves Pinto, uma arqueologia do sonho

 

A poesia de Fernando Esteves Pinto inquieta. Inquieta porque desce (sobe?) até aos socalcos mais profundos do inconsciente, revolvendo os sedimentos há muito estabilizados. A poeira densa que se levanta, mete medo. Os destroços fundacionais emergem quando a poeira turva assenta nas depressões matriciais. O espectáculo desocultado não é agradável a quem o presencia. Especialmente para o ente escalavrado pelas palavras que metralham a carne e violam a mente. A inquietude não constitui um fim em si. O desmoronar dos blocos constituintes do velho edifício, montados de fora para dentro, representam um desafio para o leitor que, assim, pode, a partir da sua nudez revelada, edificar uma nova construção mais ajustada à alma e ao corpo. O Fernando é um arqueólogo da alma, um cavador de pessoas, mas também um arquitecto da carne.

Quem lê e acompanha o evoluir da sua obra poética apaixona-se por esta dialéctica da desconstrução/construção, por estas vertentes aparentemente contraditórias: medo e desejo, caos e cosmos. Um perigo contínuo e magnético que convida o leitor a uma dança de máscaras onde cada um dos dançarinos se oculta por detrás da máscara de outro, não reconhecendo os limites que separam as identidades difusas que evoluem no soalho da vida.

“Para que uma coisa permaneça, aplica-se com ferro em brasa. Só fica na memória o que não pára de doer”, diz Nietzshe, na sua obra Para a Genealogia da Moral. Fernando Esteves Pinto escreve penetrando e desvendando a genealogia da libido enquanto contenda natureza/cultura. A natureza pouco aparece na obra do autor: antes constitui uma meta linguagem que se entranha nas vísceras entreabrindo, apenas, portas – às vezes janelas – por onde se escapam instintos que inviabilizam o conforto das certezas. É dessa substância  que encontramos numa passagem fabulosa no seu livro Ensaio Entre Portas: “”A porta da rua tem um sentido particular, ofuscante. É/ uma tampa indispensável que cai sobre as nossas costas/quando saímos ou entramos em casa. É um sinal de/interdição”. Tudo o que pretendi dizer até aqui, em quatro versos.

A arqueologia internalista (passe a redundância) transforma a vida em sonho, o que não significa que é menos real por isso. Fernando Esteves Pinto arremessa o leitor para um espaço inóspito, numinoso e ígneo, entre as sombras e a luz. Mas quem o lê terá à sua disposição uma escada para sair da caverna. Sair ou restar, será sempre uma escolha do leitor…

 

Conceição, 13 de Maio de 2011

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:55


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

tradutor