Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



queres ajudar-me a carregar a pedra?

por vítor, em 31.07.09

Hey you, out there in the cold
Getting lonely, getting old
Can you feel me?
Hey you, standing in the aisles
With itchy feet and fading smiles
Can you feel me?
Hey you, dont help them to bury the light
Dont give in without a fight.

Hey you, out there on your own
Sitting naked by the phone
Would you touch me?
Hey you, with you ear against the wall
Waiting for someone to call out
Would you touch me?
Hey you, would you help me to carry the stone?
Open your heart, Im coming home.

But it was only fantasy.
The wall was too high,
As you can see.
No matter how he tried,
He could not break free.
And the worms ate into his brain.

 

 

 


Hey you, standing in the road
Always doing what youre told,
Can you help me?
Hey you, out there beyond the wall,
Breaking bottles in the hall,
Can you help me?
Hey you, dont tell me theres no hope at all
Together we stand, divided we fall.

Well, only got an hour of daylight left. better get started
Isnt it unsafe to travel at night?
Itll be a lot less safe to stay here. youre fathers gunna pick up our trail before long
Can loca ride?
Yeah, I can ride... magaret, time to go! maigret, thank you for everything
Goodbye chenga
Goodbye miss ...
Ill be back

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:50

Estava Frio na Tarde Poeirenta

por vítor, em 28.07.09

Estava frio na tarde poeirenta. Agarrou os sapatos e entrou descalço no cemitério. Algumas beatas místicas adoravam os seus mortos ruminando palavras silenciosas. Percorreu o corredor central e chegou-se à sepultura de uma mulher de óculos escuros sem lágrimas. Pousou os sapatos. Olhou as árvores repletas de caracóis e começou a assoviar baixinho. As beatas ruminavam a líbido esperando compaixão das almas inertes.

Passara um ano sobre a morte da mulher de óculos escuros sem lágrimas. Era a sua primeira visita.

O Outono descia as persianas. O Universo rodopiava, sem pressas, em volta do cemitério.

Subiu a colina suave da sepultura e sentiu os pés descalços a enterrarem-se na terra. À procura da raiz.

Há anos, quando repousava no seu regaço, sentia as mãos tremer de gozo. Lembrou-se das galochas que sempre quisera ter e nunca teve e que os rapazes da rua sempre tiveram.

Olhou o céu à procura de encontrar Deus a sorrir. Não existe. As beatas consumiram-No . Existe. Só existe o que se pode consumir.

Sentiu as mãos tremer de gozo. Os pés terrados .

Bruxas no sabat sem fim aproximaram-se do cemitério. Pensou nos mortos ricos e nos mortos pobres, que foram vivos pobres e vivos ricos. A loucura passa pela maior das normalidades quando tem um espaço onde se projecta. Só quando o pano de fundo desce, a loucura cai à rua: é doido varrido, vê pulgas na opa de sua majestade, quer saudar o infinito, satisfaz-se no vazio. A mais grave.

As viúvas místicas atingem orgasmos na penumbra das sepulturas.

Os espaços sagrados aparecem quando os seres do Além se fundem aos do Aquém e aqui começa o sabat. Fantasmas e vice-versa, num só, debatem os mais prementes problemas da Filosofia contemporânea.

Mãe, por que me abandonas-te? Acaricia-me os pés. Faz-me tremer as mãos. Vamos construir um mundo porreiro sem carimbos na consciência.

Parecia que o tempo não passara mas o Sol caíra atrás da parede do cemitério e como era preciso atravessar o ritual da morte para participar no sabat, o coveiro, homem devidamente encartado para tal, expulsou as almas do outro mundo para o outro mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:24

O Silêncio dos Afectos

por vítor, em 20.07.09

 

O sono paralisa a calma da noite. Paralisa a confluência dos passos na lenta progressão do calendário irreflectido quando gemes nos lençóis periféricos. Enquanto o prazer se esvai nas carnes reflexas e me recusas a humidade inconformada do sexo, ratificas o silêncio dos afectos, o vazio que me enche as apocalípticas memórias, as profundas fracturas rasgando desejos paranóicos que sucumbem no clamor dos instintos liquefeitos.

Quando a boca entreaberta revela a confusão das iniquidades das entranhas no enrugamento periférico do leito encharcado das humidades dos corpos, agarro a luminosidade das nádegas abandonadas, percorro a ausência que se instala entre nós. Uma ausência sem limites onde, por vezes, a multidão irrompe.

Quando o sono envolve a luz convulsa que emerge da carne insaciável, inicio a estrada fetal que me transporta a casa, onde renascerei sem ti.

 

 

(versão para poetas chalados - desculpem-me a redundância)

 

O sono paralisa a calma da noite

paralisa a confluência dos passos

na lenta progressão do calendário irreflectido

quando gemes nos lençóis periféricos

enquanto o prazer se esvai nas carnes reflexas

e me recusas a humidade inconformada

do sexo

ratificas o silêncio dos afectos,

o vazio que me enche as apocalípticas

memórias, as profundas fracturas rasgando desejos paranóicos

que sucumbem no clamor dos instintos liquefeitos.

Quando a boca entreaberta revela

a confusão das iniquidades das entranhas

no enrugamento periférico do leito

encharcado das humidades dos corpos,

agarro a luminosidade das nádegas

abandonadas,

percorro a ausência que se instala entre nós.

Uma ausência sem limites onde,

por vezes, a multidão irrompe

quando o sono envolve a luz

convulsa que emerge da carne insaciável

inicio a estrada fetal que me transporta a casa

onde renascerei sem ti.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:02

uma loucura rápida demais

por vítor, em 18.07.09

 

depois de finalizar este brutal power-point, dos efeitos especiais aplicados e do seu envio (zipado, sublinhe-se), a loucura irá sempre adelante. posso correr como o Bolt que nunca a agarrarei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:55

o tempo não tem tempo

por vítor, em 17.07.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:26

à mesa do café (me escondo)

por vítor, em 16.07.09

 

Adão Contreiras

À mesa do café (anos 70)
Gravura em metal prova de ensaio água forte
35x25

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:04

hipantropias e perspectivas

por vítor, em 08.07.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:37

do olhar vago

por vítor, em 06.07.09

 

do olhar vago

que rejeita a inscrição bélica

aparentemente tocada pela luz,

da incompleta voz que elabora linhas perplexas

na morna superfície dos teus sonhos

escapa-se um inútil desejo de regresso;

de regresso a um lugar estranho

onde a memória prevalece

e a existência sobrevive efémera agarrada

a jangadas de sangue

do olhar vago

sem fracturas no tédio da noite,

da expressão que esconde o sorriso das árvores

o registo das cicatrizes pelágicas

que atravessarão o futuro,

o destino que fará eclodir os desafios tentaculares

das palavras desavindas;

é o lugar de onde avistas a fortaleza que recua,

que recusa acolher-te no interior das possantes penumbras,

a fortificação desejada pelo tórax oprimido

que te torna os dias cruéis

cansados da sinuosa trajectória

em que persistes na manipulação dos pés

quando te aproximas da impossibilidade serena do fim

tempestade  à distância dos olhos entre desejos

que contendem no plástico campo de batalha

onde tempo e inquietude se aliam

em brutais teatros sem personagens;

para quê estar à espera do tempo que é pedra?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38

a renovação do restolho

por vítor, em 01.07.09

Momento alto na Quinta.  O Solstício de Verão.Ceifa, debulha, enfardamento. E o mais importante de tudo: a renovação do restolho por onde arrasto os pés cansados e a mente convulsa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:44

ouviu-se um grito vindo dos montes

por vítor, em 01.07.09

 

 

Quando se rasgam  novas geometrias para lá da geometria social euclidiana. Quando se trilham atalhos nunca antes calcados no labirinto das escolhas já feitas. Quando a estética surge do vazio que nunca ninguém desocultara. Quando o movimento bolina por entre ventos e tempestades usando a sua força para gerar bailados na solidão dos corpos. Quando muitas outras coisas se atravessam nas ruas estreitas e vagabundeiam pelas planícies infindáveis, a estrela que em ti pré-existe desabrocha como uma flor no improviso da vida por cumprir.

 

Pina Baush é uma aparição que deixará para sempre as suas sombras a deambular nas paredes da caverna de Platão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:03


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor