Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



       Zé Valongo era natural de Vila Nova de Cacela e residiu na sua zona ocidental, próximo de Santa Rita, entre os fins do século XIX e meados do século XX.

   Dedicava-se à agricultura, cozia fornos de cal e fazia pequenos negócios. A sua actividade agrícola era reduzida, pois só possuía uma pequena propriedade. Em Outubro semeava trigo, favas e griséus e em Fevereiro semeava milho, feijão, grão de bico e melões e plantava batatas e tomateiras. Tudo para consumo próprio e para os animais que possuía. Tinha habitualmente uma vaca e a sua cria, um porco, uma mula e uma cabra.

   Para a sua actividade industrial, de cozer cal, enchia a caldeira do seu forno de lenha e depois enformava devidamente as pedras de calcário a partir da base circular do mesmo, em volta da caldeira, e fazia uma “parede” que ia alargando e terminava em abóboda. Depois dava fogo ao forno e, uma vez consumida a lenha da caldeira, ia alimentando a combustão com mais lenha previamente reunida, em quantidade suficiente, para manter o fogo sem interrupção umas 36 horas. Como não aguentava tantas horas de trabalho seguidas arranjava um colaborador para o ajudar.

   Este trabalho era infernal principalmente no Verão em que além do calor da estação, tinha de suportar a alta temperatura que vinha da porta do forno.

   Uns dias depois de terminada a cozedura, a temperatura do forno já dava acesso e começava a retirar a cal para vender. Esta operação era conhecida como “dar cal”.

    Produzia uma parcela maior de cal preta, que nesses tempos era muito utilizada na construção de paredes e seus rebocos. A cal branca servia para estuques e para caiar. A cal branca que não vendia à porta do forno, carregava-a na sua carroça de tracção animal e ia vendê-la nas localidades próximas, apregoando “cal branca”, e ia dizendo que a cal era de Santa Rita, pois esta tinha fama de ser mais branca que todas as outras.

   Na área dos negócios actuava no sector das lenhas, que comprava na mata de Santa Rita e vendia nas padarias de Cacela e Vila Real de Santo António, e nas fábricas de conserva desta cidade, onde era utilizada para cozer o peixe.

   Também comprava e vendia favas, nesse tempo muito utilizadas nas rações de mulas, burros e cavalos, e milho, este muito utilizado na alimentação humana e de animais.

   Nos dias que ia vender produtos a Vila Real abalava de casa de madrugada, pois a viagem de carroça com carga era demorada.

   Depois de entregar a carga, ia pôr a carroça na estalagem do Hortinha e dava ração à mula. Depois dava uma volta pela vila, ia beber café nas Caves do Guadiana, passava pelo mercado para fazer algumas compras e dirigia-se à Casa Capa para comprar artigos de mercearia.

   Foi ali que ao ver o preço a que vendiam o milho, comentou que o mesmo estava muito caro. Um dos muitos clientes da casa confirmou a justeza do seu comentário e disse-lhe que nos arredores de Lisboa, havia um lavrador a quem ele comprava o milho muito barato. A conversa continuou e daí a pouco estavam ambos à mesa duma taberna a beber uns copos de vinho e a falar sobre negócios. O Valongo ficou muito admirado quando o seu interlocutor o informou do preço a que comprava o milho e mostrou-se interessado na compra de uma boa partida.

   O outro disse-lhe que tinha um camião e que por vezes vinha de Lisboa carregar conservas de peixe a Vila Real, pelo que podia trazer-lhe o milho, cobrando um frete insignificante, mas tinha que ir a Lisboa para fazer o negócio. Na viagem de regresso podia apanhar boleia consigo no camião. Acrescentou que daí a uns oito dias vinha novamente carregar conservas. De seguida combinaram o dia e a hora dum encontro na estação do caminho de ferro do Rossio.

   Valongo não dispunha de muito dinheiro e teve que vender uma vitela, para poder comprar o milho.

   Nas vésperas do dia combinado embarcou no comboio correio, que chegava a Lisboa no dia seguinte de manhã.

   Ele conhecia histórias de carteiristas e de outros amigos do alheio que actuavam em Lisboa e, para evitar ser roubado, colocou a carteira com o dinheiro para a compra do milho dentro das ceroulas, próximo do tornozelo, e atou bem os seus nastros. Para algumas despesas extra levou algum dinheiro no bolso do casaco.

   Chegado à estação do Terreiro do Paço dirigiu-se para a estação do Rossio. No percurso encontrou um conterrâneo, seu conhecido, que lhe perguntou o que fazia em Lisboa, ao qual respondeu laconicamente, “o segredo é a alma do negócio”.

   Chegado à estação do Rossio, ali encontrou o seu “amigo camionista”, que lhe disse que o “lavrador” do milho chegava ali no próximo comboio. Após a chegada do “lavrador”, o “camionista” negociou com ele a compra de uma porção de milho, que pagou a pronto, tendo recebido um vale para apresentar ao empregado que o iria levantar e depois fazer a sua entrega numa propriedade dos arredores. Em seguida apresentou o “amigo” que tinha vindo do Algarve para comprar milho. O “lavrador” mostrou-se aborrecido dizendo que já tinha pouco milho. Mas depois, de alguma insistência do “camionista” que lhe fez ver a maçada da viagem e a sua própria culpa na lastimosa situação, lá lhe dispensou o milho pretendido para ele não fazer a viagem em vão.

   O Valongo para fazer o pagamento arregaçou as calças e desatou os atilhos das ceroulas para tirar a carteira, e assim, perante os sorrisos maliciosos dos dois vigaristas, entregou ingenuamente o dinheiro que tinha em bom recato.

  O vendedor despediu-se amavelmente de ambos e foi à sua vida.

  O “ camionista”, entregando o vale de levantamento ao algarvio, disse que tinha de ir à casa de banho e afastou-se.

   Como não mais apareceu o Valongo entrou em pânico e apresentou queixa na polícia, a qual concluiu que ele, mesmo sendo prevenido, tinha sido burlado.

   As autoridades nada conseguiram apurar e o nosso homem, com algum dinheiro que tinha no bolso do casaco, comprou o bilhete de regresso ao Algarve.

   Aqui chegou derrotado, triste e descrente do velho ditado que diz “homem prevenido vale por dois”.

 

 em, Memórias Escritas, de Fernando Gil Cardeira

 

 

( texto publicado no Jornal do Algarve em 2 de Outubro de 1997)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:57



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =



partículas




vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?


horas amargas


PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII


tradutor