nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Marginais do Pensamento

. Compreensão versus destru...

. Sobre as Virtudes

. A loucura num abraço

. A Verdade e a Mentira

. Feliz Aniversário Europa

. Políticos e Fraldas

. Um Torneio Escada

. Duelo à Sombra de um Taxi

. Convite para jantar

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Marginais do Pensamento

 

 

Olho atrás da janela. Lá fora o frio e a chuva instalam-se sem pressas. ao fundo talvez o mar.

Agora sim, compreendo o mundo. Se me envolvo; sou cúmplice. Mesmo contra. Se não me arregaço e não avanço; pago cara a ousadia. O mundo cai sobre mim elefantino e cego. Na sobrevivência dos dias, sou sugado para o conforto da sociedade. "O conforto da certezas", como dizia o outro.

O big-brother baralha-se perante transeuntes sem telemóvel. Sem cartão de crédito. Sem escolhas binárias. Se não és, não existes. Se és... também não existes. A parte não pode aspirar ao todo. A paixão é única e não admite a dúvida. Não escolhes, nunca desejarás a alegria sem fumo do elemento. Numa estrutura elementar existes como partícula, como tijolo na parede. E és útil. Eficaz como a serradura das mentes saltimbancas.

Ser ou não ser, a eterna incoerência da solidão. Ser e não ser, a incógnita inaceitável dos iluminados. Iluminados pela essência da vida, sem objectivos e sem valores. Contra os insaciáveis intelectuais à babuja dos sistemas. Seres em órbita do senhor seu centro e razão de persistir. Dos risos apocalípticos, da genoflexão neuronal.

A publicidade das ideias releva a ignorância sensível dos deserdados. A estrada que se estende pelo amplo ardor do desconhecido, rasgando-o, violando-o sem sofreguidão, estabelece o eixo oblíquo da loucura enquanto certidão da plenitude  dos tempos.

Por entre as velhas redes institucionais, nos interstícios ocos da risível gregaridade, viajam marginais do pensamento. Viajam sem danificar os ancestrais pilares da moral. Navegando na cabotagem, cruzando as marcas do mundo conhecido como forma de nunca esquecer os entes queridos. Cavalgando as memórias selvagens da História como forma de espalhar o sexo no futuro.

Alguns rastejam em condições humilhantes, até ao assombroso covil das vacas gordas. A lascívia do poder penetra-lhes a pele luzidia e arrasta-os na eterna luxúria do conhecimento. Afinal a base de tudo: do maniquismo brutal que nos oprime, da sensação irresistível de ser livre, da doce carícia da virtude.

Congratulo-me com a inércia dos antepassados que pairam no silêncio das vozes marginais. A marginalidade de hoje foi o centro de antanho, ao contrário do que pensam os cientistas sociais. A solidão estabelece o caos na modorra dos passos que seguem o inexplicável movimento das sombras.

Olho atrás da janela. Lá fora a chuva e o frio gritam sem cessar.

Amanhã, sem pressas, irei comprar um telemóvel.

música: Baby you can drive my car
publicado por vítor às 21:38
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Agosto de 2008

Compreensão versus destruição

 

Anselm Kiefer

 

Para compreender, destruí-me. Compreender é esquecer de amar. Nada conheço mais ao mesmo tempo falso e significativo que aquele dito de Leonardo da Vinci de que se não pode amar ou odiar uma coisa senão depois de compreendê-la.
A solidão desola-me; a companhia oprime-me. A presença de outra pessoa descaminha-me os pensamentos; sonho a sua presença com uma distracção especial, que toda a minha atenção analítica não consegue definir.

 

Bernardo Soares - Livro do Desassossego

publicado por vítor às 23:08
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Julho de 2007

Sobre as Virtudes

"... ter uma virtude é bem melhor que ser possuidor de duas..."

 

Nietzsche ,  em Assim falava Zaratustra .

 

Eu, que sou mais optimista que Nietzsche , penso que, mesmo assim, ainda é melhor ter duas virtudes que suportar... três virtudes.

publicado por vítor às 00:38
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Maio de 2007

A loucura num abraço

No mês de Janeiro de 1889,  em Turim, Nietzsche revoltado com a visão tremenda de um cocheiro a chicotear o seu cavalo, abraça ternamente o animal. O quadrúpede, claro!

 

Enlouquece a seguir a este episódio,  tornando-se num ente vegetal e amorfo até à sua morte no ano de 1900. O ano derradeiro do século XIX.

música: Requiem de Brahms
publicado por vítor às 18:50
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Março de 2007

A Verdade e a Mentira

P`rá mentira ser segura
e atingir profundidade
tem que trazer à mistura
qualquer coisa de verdade.


                            António Aleixo
publicado por vítor às 12:32
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 25 de Março de 2007

Feliz Aniversário Europa

O "doente incurável" de Nietzsche, faz 50 anos. Vinda da Fenícia nos robustos braços de Zeus, caminha outra vez para oriente. À doença crónica juntar-se-á  a esquizofrenia dos Balcãs e o reflexo em negativo da Anatólia. Aguentará o doente o choque civilizacional? A entropia murmurante borbulhando nos interstícios intranacionais e os colossos político-étnicos exteriores, actuarão como titãs esmagando a frágil coesão?

A guerra é uma constante humana no espaço e no tempo. A Europa extinguiu a guerra no seu seio e uniu inimigos de sempre. É esta, a guerra, a hidra preocupante e ameaçadora. A Paz, ao contrário do que se pensa ,  torna-nos desumanos e a nossa formatação ancestral faz  troar os tambores quando ela  se acomoda aos homens como se sempre, estes , a tivessem vivido e  a guerra não fosse mais do que um distante filme descolorido e estranho. Hoje, no meio das mais rocambolescas guerras virtuais e electrónicas os tambores tornaram-se silenciosos. A guerra já não entoa cânticos tribais, não suja o chão pátrio,  nem usa o folclore do sangue. É límpida como a água, calma como a brisa e avança como metástases na corrente vital. Como na caverna de Platão, a realidade não passa de um conjunto de sombras que nos dão a ver e a conhecer. A liberdade torna-se, assim, inalcançável . Incompreensível e manobrável. As sombras serão condição para a felicidade. Ama as sombras e serás feliz. A sombra não deixa distinguir os traços que dão contornos à liberdade.

Se a Europa durar mais 50 anos, o mundo poderá rasgar as trevas e trazer um pouco de luz ao homem e à natureza. O Mundo será um pouco melhor e o choque de civilizações poderá não passar de um sonho mau do início do século XXI.
publicado por vítor às 23:23
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Março de 2007

Políticos e Fraldas

No filme "Homem do Ano" (Man of the World):

Os políticos são como as fraldas. Têm de ser mudados com frequência e pelos mesmos motivos...
publicado por vítor às 23:02
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 17 de Março de 2007

Um Torneio Escada

Este blogue não serve para falar de coisas pessoais (não confundir com coisas de pessoas). No entanto hoje vou fazer uma excepção e vão ver que valerá a pena.

Há dois anos  comecei a jogar ténis. Tinha jogado até então duas ou três vezes na vida. Influenciado por um  amigo e pelo meu filho mais novo, tenho vindo a jogar 1 vez por semana e , até, (pudera) a evoluir bastante. Acontece que no clube onde jogamos organizaram um "torneio escada" e meteram-me ao barulho. Um torneio escada, vim a saber depois, é uma competição que se arrasta por vários meses e onde os jogadores são seriados num ranking em que os melhores estão nos primeiros lugares e os piores, como é óbvio, nos últimos. Quando fui ver a seriação até fiquei surpreendido, estava a meio da "escada" com uma série de jogadores, que não conhecia, estrangeiros atrás de mim. À minha frente um tal de Jean , holandês. Este tipo de torneio funciona por desafios: um jogador desafia um dos dois jogadores que  lhe está logo acima e, em caso de vitória ocupa-lhe o lugar (sobe na escada) descendo o derrotado ao lugar do vencedor (desce na escada). Durante o torneio, os melhores vão subindo lentamente enquanto os menos bons se vão aproximando do fundo da tabela.

Como me competia, desafiei o jogador que estava mesmo por cima de mim, o tal Jean . O desafio foi aceite e marcado o jogo para hoje, pelas dez horas da manhã.

Também como me competia, tratei de colectar informações sobre o jogador desafiado. O pouco que soube deixou-me tranquilo e confiante: o senhor tinha 69 anos, era canhoto mas uma terrível artrose tinha-o obrigado a passar a jogar com a direita e o seu grande handicap era o serviço. Por outro lado, tinha sido um jogador de top e continuado ligado à modalidade como professor durante toda a vida. Experiência não lhe devia faltar...

Apostado em passar os últimos dias da vida sob o reconfortante sol algarvio, jogava ténis várias vezes por semana e tinha até lições particulares com o professor-mor do clube.

A idade, a história da mudança de mão e a minha "juventude"( menos 20) deram-me, como já disse, confiança e nem dispensei  uma longa e pedestre visita de estudo, com os meus alunos,  pelos meandros da cidade de Tavira, na sexta -feira, que me deixou de rastos.

De uma simpatia desarmante, o senhor Jean despachou-me, em hora e meia, com um inquestionável 2-1: 6-2;  4-6  e 6-2.

Quem me dera jogar ténis e ter a simpatia do sr. Jean aos 70 anos. Bem a simpatia será, certamente mais fácil...
publicado por vítor às 18:24
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 13 de Março de 2007

Duelo à Sombra de um Taxi

Portas, Paulo Portas, recauchutado , desafiou: directas já! Imperial, sobressaiu do limbo e escolheu a luta mortal.

O outro, sem receios e ufano, respondeu com virilidade. Desafios e luta são o meu pão, a minha vida, o meu destino. O desafio será bem vindo e suspiro pela refrega mas as armas escolho-as eu!

Suspense no plateau e ainda as coisas vão nos preliminares.

As armas serão, batendo no peito, o soberano congresso!

Directas!

Congresso!

Directas!

 Congresso! 
Ficaram horas nisso (alguém disse anos?) e nada. As duas partes anunciaram o imperdível acontecimento. O extraordinááááááário ajuste de contas.

As duas hostes arrastaram-se pesadamente para os locais onde seria, finalmente, decidido o presente e o futuro do país.

Um, ganhou as directas!

Outro ganhou o congresso!

E foram felizes para sempre!

P.S. O país tornou-se à sua imagem e semelhança e entrou num táxi que o levou para a terra dos sempre-em-pé.
publicado por vítor às 22:42
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Março de 2007

Convite para jantar

0000dcbz

Sonhos de uma noite de Verão...

marcadores: ,
publicado por vítor às 23:11
link do post | comentar | favorito
|