nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. não recomeces a noite fri...

. de onde descem os cabelos...

. chegámos tarde e a noite ...

. na idade de um senhor que...

. vagabundos na insónia das...

. Alfarrobas e adolescência

. No Bar do Costume

. Estratégias de fuga impos...

. A Confusão da Noite

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Domingo, 20 de Novembro de 2011

não recomeces a noite fria

 

 

 

Quando dizes que a fragilidade

Do regresso é uma contingência adversa

Na interioridade da memória, uma caravana

De carcaças mutiladas pingando sangue

Na estrada que leva ao nada, talvez saibas

Ficcionar o entusiasmo da palavra Não.

- És a encarnação inerente ao que nunca

Rejeitará as raízes ocultas da impossibilidade,

Lembras, ajustando as palavras ao único

Perigo que resgata os sentimentos nómadas

Das irremediáveis finitudes convulsas da solidão.

Quando dizes Não, descobres a imperativa

Vontade dos cataclismos vitais, desocultas

A noite enquanto nas cidades adjacentes

Se revoltam escravos convertidos ao hierofânico

Rasgar da pele em cicatrizes de sonho e melancolia.

O profundo escarificar da superfície do medo

Reflete o ódio que a inclinação da maresia

Transforma em negação no interior do

Sentimento devassado.

Não!, a insolvência que grita nos hiatos da sombra

Não progride nos caminhos incompletos dos teus passos.

Erras na substância que se apodera dos extensos

Humores na planície escalavrada. Dizes que a maldição

Asperge os dias e transformas o olhar num

Súbito recriar da ilusão. Dizes Não ao Não quando

Penetras no frio das calmarias labirínticas de antanho.

Voltas atrás e o recomeço abraça os limites

Alucinogénicos que bordejam a insondável

Alegria da morte.

 

Monte Gordo,  15 de Novembro de 2011

sinto-me:
publicado por vítor às 18:37
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011

de onde descem os cabelos que envolvem a noite?

 

De onde descem os cabelos que envolvem a noite

que subtraem imaginação às falhas do nosso Outono?

 

O espantalho que se ergue na tarde poeirenta anuncia

escrúpulos estilhaçando o tempo na parede

de vidro onde os cabelos se refletem devagar.

 

As ruas enchem-se de putrefação que embriaga a noite,

o vento manipula os filamentos que a música anuncia

desde a casa silenciosa, ordenando os solavancos do devir

plasmados nos dias sobressalentes do espelho inútil. Inútil

porque reflete o que já existe nos paramentos que a luz

enverga revelando a nudez dos ossos.

 

Continuam a atravessar a cortina que separa

a violência da claridade. A escuridão é apenas um sussurro

na convivência inexpressiva dos pássaros migrantes.

Uma viagem em redor da consciência moral das catedrais,

momento compósito num puzzle construído ao acaso,

uma viagem pela margem do todo inacabado, confronto

com a impossibilidade de abarcar a vida que emerge do caos.

 

Às vezes a solidão torna-se o tema específico das escrituras

 que comandam o lento fluir das partituras imbecis da multidão

oculta. É na aridez das sombras que os novos dragões

do templo parem os descendentes das criaturas que rasgaram

os códices do silêncio. Serão os nasciturnos do mundo novo,

os portadores dos cabelos malditos que descem ao abismo

sangrento, cabouco instável na estrutura brutal dos sonhos.

As linhas soltas que ocultam as palavras indicam os limites

para a imaginação tentacular do pesadelo estético e paranóico.

 

A loucura desenvolve-se na rede que autoriza a complexa

aparição dos cabelos sorvendo as raízes da noite.

 

M.G.    21-09-2011

sinto-me:
publicado por vítor às 22:38
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010

chegámos tarde e a noite avançou

 

Chegámos tarde e a noite avançou, o estatuto da noite não morava ali.

Quantas vezes tinhas empenhado as jóias que reverberam da cerveja bebida na tasca

depois da cerimónia da morte?

O objectivo era unificar a arte, a cultura e a terapia que sublinha

o rumorejar da ausência inerte.

A desesperança encontrava, na associação com os projetos de renovação,

direitos inapeláveis onde os gritos executam

a panóplia inacabada das competências esquecidas.

O morno escriturar da mitológica raiz na plenitude imprime a tatuagem larvar

do caminho interrompido , nudez do rosto avançando,  que aquece

a ordem na arquitetura do sonho.

Quando chegámos, os rostos que sobressaem da espessa penumbra,

rejubilaram de alarvidade.

Dás-me  contas da incompletude nas pegadas impressas de vida,

daqueles  que perdem a utopia viável dos cataclismos confortáveis e nus.

Agarramo-nos à insuficiência dos presentes e arrancamos palavras soltas,

inimputáveis e corruptas. O sabor do ritual irrepetível é uma onda

de desejo  que cumpre os critérios obtusos da multidão.

Os documentos são irreversíveis e envolvem vontades instaladas, revoluções

impraticáveis que renegam os pensamentos estultos e ressabiados,

emergentes da máscara desoculta na balbúrdia reflexa.

Os dias arrastam-se na envolvência das emoções inadiáveis, receita

da casa que não esquece os jogos arquitetados na distância da semente,

os dias são o que não entendes nos outros, as vidas que se cruzam

em múltiplas imagens no espelho paradoxal.

A maresia eleva-se dos espíritos que vagueiam no labirinto

catártico da poesia primordial. O elenco da putridão oblíqua

manifesta-se quando a lâmina penetra a frieza do olhar. É um desenvolvimento

esperado sem a aprovação dos que não dormem enquanto sonham

o desfilar das figuras fragmentadas pela  luz.

Retiras a sensatez aos que desprezam o inútil esculpir da realidade

suspensa no pesadelo das sombras.

 

Chegámos e o jardim contemplou-nos sorrindo na placidez da tempestade.

 

(Tavira, 27/11/2010)

sinto-me:
publicado por vítor às 11:01
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Julho de 2010

na idade de um senhor que não dorme

Neurónios lentos cruzando, desorientados, as dentrites labirínticas. Na idade de um homem como eu, a noite que era hoje é amanhã. E agora, que ela acelera, algo que se presta ao fecho da madrugada.

sinto-me:
música: Like a rolling stone
publicado por vítor às 01:48
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

vagabundos na insónia das noites eternas

 

publicado por vítor às 01:06
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008

Alfarrobas e adolescência

 

Nos tempos da apanha da alfarroba pareço mergulhar na adolescência. Só me apetece entrar pelas noites adentro como gato à procura de sonhos já sonhados...

 

PS: Não tenho andado com disposição para grandes escritos. No entanto estou pouco preocupado. Como diria a grande filósofa dos nossos dias, Lili Caneças, não escrever é só o contrário de escrever.

PS1:O meu amigo Pedro Alves vai compensando esta ausência de palavras novas com algumas referências a palavras antigas e projectos novos deste vosso criado. Recomendo-vos vivamente a passagem pelo canal sonora, o belíssimo blog do amigo supra citado.

sinto-me:
música: A dita
publicado por vítor às 14:20
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Agosto de 2008

No Bar do Costume

Uma mulher entrou de mansinho arrastando as solas dos sapatos na tijoleira vermelha. Apertou a mão a uma salamandra semi-nua, que vagueava ao acaso pelas redondezas, e resolveu pedir um bagaço.

O empregado, senhor de um porte arredondado, serviu com a gentileza do costume.

Deu um trago sem pestanejar e sentou-se na arquibancada do fundo retirando um chupa-chupa da malinha ligeira. Chupa aqui... bebe ali...chupa aqui... bebe ali... e assim vai o relógio do bar consumindo o inexorável fluir do tempo.

Entram clientes, sentam-se, bebem e pagam quase sem falar, enquanto o relógio e o empregado vão servindo sem pressas.

Duas rebimba-corações bebem em silêncio na esplanada. O Sol mergulha no mar e as gaivotas erguem-se nas sombras. Ao longe, um saxofone geme milagrosamente entre a babuja da preia-mar.

A mulher levantou-se e dirigiu-se ao balcão ostensivamente envernizado de espuma.

 - A minha conta, pediu com gestos meticulosamente embaraçados.

O empregado, que presenciara a lenta progressão da elegante senhora no salão, levantou-se cordialmente, do banco atrás do balcão, deixando o jornal, que lia sem interesse, pousar nas imperiais por tirar.

Uma centopeia, sem pernas, gritou na noite. A brisa nocturna, sem devaneios, invadira os lugares obsoletos, mordiscando os pensamentos dos lampiões tímidos da rua.

No instante em que a mulher tirou o montante, exigido pelo bagaço; da malinha, entrou no bar um cavalheiro sem olhar. A noite pareceu mergulhar no vasto oceano, enquanto o saxofone se extinguia entre os barcos sem cais.

Sem retirar o sobretudo, o homem sem olhar, voltou à rua e atirou-se na noite desaparecendo na encruzilhada das trevas.

A mulher, depois de receber o troco, penetrou no ar frio da maresia deixando um rasto de luz no alcatrão ainda quente.

O empregado, retomou a leitura do seu velho jornal: ... a solidão é o império dos sentidos.

 

 


 

música: Show me the way to the next wiskhey bar
publicado por vítor às 22:20
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Estratégias de fuga impossível

 

Afinal não sou um careta que só ouve ópera. E,  dizem-me fontes bem informadas cá de casa, até são portugueses...

 

As noites consomem-se na loucura das insónias transbordantes. Para lá do medo aparecem, por detrás das cortinas do silêncio, caminhos que convidam a simular estratégias de fuga impossível.

música: Melancholic Ballad - Fingertips
publicado por vítor às 03:14
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

A Confusão da Noite



Um homem foi às traseiras da sua casa numa noite de bonança e se a cidade fosse no seu quintal teria visto toda a confusão da noite na palma das suas mãos.
publicado por vítor às 00:13
link do post | comentar | favorito
|