nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. O homem que nunca sonhara

. a vaidade

. a vida sem retorno

. um menino sábio

. um casaco negro

. uma camisola ensanguentad...

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. sonho

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Dezembro 2017

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Sexta-feira, 8 de Agosto de 2014

o nevoeiro apoderou-se da tarde de verão

 

Hoje o dia pareceu-me enevoado

e a juventude foi-se-me sentar

entre as cãs e os longos silêncios dos peixes.

O meu filho disse-me, depois de uma ligeira

altercação, sem olhar o meu corpo

esparramado comodamente no sofá, tenho lá culpa

de teres atingido a andropausa. Amei e estive

3600.000 dias sem dizer uma palavra.

O banco onde depositava as minhas parcas

poupanças faliu. Fiz sexo com o candeeiro

da mesa-de-cabeceira que teimava

em não se acender quando pretendia ir mijar

pela calada da noite. Mil vezes. O prejuízo

 do meu banco foi de 3600.000 de euros –

bem maior que o meu, está claro

(pobres banqueiros) -, e eu acho que não escaparei

à  morte em 2040. O metano e o dióxido de carbono

farão o trabalhinho de forma absoluta sem

recurso à metafísica. O Tribunal Constitucional,

em que acreditava piamente, ditou

que o roubo aos pobres estava claramente

dentro da moldura penal consignada na lei

Suprema da nação. Quando os senhores doutores

juízes acordarem será tarde de mais. O fim da humanidade

em 2040 foi ontem. Vi, ainda agora, um homem beijar a pata de um cão.

O gesto, sincero, comoveu-me e o meu ventre estrebuchou

chamando a atenção da vizinhança que ruborizou levemente.

O antigo primeiro-ministro, o antes deste,

 foi acusado de corrupção no mês passado.

Defendeu-se dizendo que no mês passado já não era primeiro

nem nada na classificação dos entes candidatos a comprar

o Novo Banco. O que renasceu das cinzas do meu banco, entretanto falido.

Acabei de alcançar o nível 4 num jogo on-line e perdi o resto que tinha ganho

à  sueca com a rapariga do rés-do-chão direito. Era uma madrugada

clandestina a que me esperava. O nevoeiro escondia-a num poema

 de ideias controversas. A andropausa mental

 é muito mais perigosa do que a biologia. Toda a biologia.

Estando esta última por provar que aconteceu.

O maldito candeeiro da mesa-de-cabeceira tira-me

a  tesão toda: só se acende quando quer e eu a espumar

toda a noite. Sinto as articulações cansadas (tendinites?)

só de pensar em 2040. Tomo um chá de galafito com um

placebo qualquer para enganar a ansiedade e elejo a melhor praia da Europa:

Praia de Cabanas!, como nunca poderia deixar de ter sido.

Só por acaso estarei vivo em meados de 2040. Se não me engano andarei pelos…

            2040 – 1958 = 82   posso até assistir no you tube

à minha própria morte. Até, talvez, editá-la.

Desconfio mais da crueldade do metano do que na do dióxido de carbono.

O CO2 é-me muito chegado. Nada de científico, é uma intuição

Que me empurra mais para o metano. Cheira-me a Inferno.

O que pensará o Tribunal Constitucional do fim do mundo?

Poder-se-á considerar o fim do mundo inconstitucional? Até,

anticonstitucional? Nisso não acredito, o fim do mundo está para lá

das jurisdições humanas. Da moldura do Criador. O que só revela

da insanidade geral dos homens e da fraudulenta misericórdia de Deus

para com os banqueiros espeleólogos. É-me insuportável

assistir ao bailado das meretrizes míopes escaldando os pés

no palco de metal que a música consome.

Para entender a convergência da economia paralela,

e  mesmo, ou talvez, sobretudo, a  perpendicular, na direção dos paraísos fiscais

que pululam de Manila às Ilhas selvagens, da Micronésia de Malinowski

à  Macaronésia de Alberto João Jardim, dirigi-me

ao meu psiquiatra e estendi-me no divã

à espera das sombras que envolvem a luz intermitente

do meu candeeiro de mesa-de-cabeceira. Da redenção inicial.

Revelou-me que o meu sono estava desenhado segundo

os padrões internacionais aceites pela Internacional

Socialista e que o humor que transportava

no inconsciente podia muito bem ser fruto

de um resquício de festa de anos celebrada

em Chefchauen em 2004. O perigo, continuou,

seria sempre o de me calar sem antes rejeitar

a simpatia que me ligava ao FMI e esquecer

os dias passados a percorrer as sedes dos bancos suíços

a tentar abrir cofres com um canivete multiusos.

Poderia nem chegar a 2040 e atingir a eternidade antes

do tempo gravado na coronha da espingarda

do meu tetra avô que agora, por acaso, é minha.

Despedi-me atenciosamente e, retribuindo a simpatia,

o  clínico não me levou dinheiro pela consulta.

Parti dali em transe semi-induzido e as insónias

que o tempo adivinhava fizeram de mim

um zombie até aos dias preliminares a 2014.

O nevoeiro apoderou-se da tarde de verão

confessando aos turistas que o suicídio era um privilégio

de banqueiros. Quando a luz do candeeiro de mesa-de-cabeceira

inundou de luz o quarto, atravesso a andropausa e,

para sempre jovem, sento-me na cama à espera de 2040 a ler as aventuras

do cavaleiro da triste figura.

 

Cativa 31-07-2014 (anos do Guapo)

sinto-me:
publicado por vítor às 00:02
link do post | comentar | favorito
|