nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Segunda-feira, 19 de Junho de 2006

Bares Esvaziados na Madrugada em Chamas

 

 

 

    Ainda há pouco era noite e a felicidade submetia-se a bares esvaziados. Se as nuvens cortassem, o oceano seria o fim dos obstáculos viris que se desprendem do horizonte. Dionísio gostaria de poder  embalar todas as nossas mágoas...

 

   Ainda há pouco era noite e a felicidade submetia-se à fúria de bares esvaziados. A calmaria instalou-se nas minhas mãos. Se as nuvens cortassem o oceano, seria o fim dos obstáculos viris que se desprendem do horizonte.

  Dionísio gostaria de poder embalar todas as nossas mágoas mas, tal como a noite, é impotente. Sentei-me na borda de um barco enraizado nas dunas, olhando as oliveiras brincando ao amanhecer.

-         Olá, sorri-lhes. Desgraçadas, vencidas pela modernidade, essas alumiadoras do mundo através dos séculos. Brincam ainda...

  A madrugada levantara-se violenta, borrifando os meus olhos cansados com luz a jorros. Sinto vontade de me erguer no céu em chamas. Amacio um cigarro entre os dentes. Ainda há luzes acesas na povoação. Guardam o sono, dos espíritos selvagens da escuridão.

   A minha aldeia é um barco com cadastro político, um caminho turvo onde se trocam coktails molotov. Um caminho turvo na ponte de um barco. Nesse barco passo todas as noites de insónia à volta com entes esquisitos à babuja dos meus restos.

  Se houvesse poetas, o Outono seria a época do ano eleita para os seus cortejos fúnebres. No meu (teu) barco não há poetas. Não há dissidentes nas aldeias onde nasci. Qualquer cemitério me pode separar da paixão pela confusão das montanhas cheias de vento.

  Ainda há luzes acesas e sonolentas na povoação em chamas. Lembram pássaros acocorados sonhando com marés de petróleo.

  É sempre difícil construir num mar de destruição e paranóia.

  Um caminho turvo onde se trocam coktails de molotov, surgiu na ponte do teu barco.

  Elegantes a passear-se em cadáveres famosos, babando excreções ácidas, amando a nudez da noite semi-adiada. Os bares sem pensamento não existem  há muitos anos, consumidos por mágoas e desenganos.

  Eu quis beijar-lhe os seios, ela embebedou-se e riu: sonhámos até a mãe nos acordar.

 Que faço aqui, sentado nas bordas de um barco enraizado nas dunas geladas, olhando as oliveiras brincando ao amanhecer? Consumo a noite.

  Levanto-me subitamente e mergulho no dia. Poeta aonde vais? Lapidar os ossos no cais?( versos de um amigo) Os amigos são bocados de silêncio à espera de encontrar a razão onde o vazio estoura a saudade.

Mergulho no dia e tropeço na noite caída, no entanto, vou esperar que os intelectuais racistas ( todos os intelectuais são racistas) se instalem à beira do precipício a saudar os cadáveres célebres. Então, sem os empurrar, hei-de gritar:

 -  Olhem os barcos, bocados de bebedeira despedida por excesso de zelo!

marcadores:
publicado por vítor às 18:52
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De ladoalto a 20 de Junho de 2006 às 14:45
Pois é camarada, Barcos enraizados na areia...Mestre Tiago bem tentou incutir o gosto pelas Novas Técnologias aos seus alunos dilectos,mas havia sempre umas minis atravessadas no caminho que levava ao Departamento de Comunicação Social(eu sei,esse não era o nosso,mas era onde estavam os computadores).Há gente assim,chamemos-lhe rituais de aproximação.Depois um dia descobre-se que podemaos comer pão com chouriço enquanto teclamos.e pimba,já entrámos.Espero que o Grande Tiago possa vir a saber disto.Eu, que por força das circunstâncias(?) lido com as TI amiude,ganhei um novo motivo para lhes reconhecer "algumas virtudes".Agradeço à www o facto de, uns anitos valentes depois,poder aceder à força da tua escrita.
De vítor a 21 de Junho de 2006 às 12:39
Camarada! Agradeço o comentário mas não sei quem o fez. Apenas que desbundámos na FCSH.

Diz alguma coisa.

Abraços

Vítor
De ladoalto a 22 de Junho de 2006 às 10:35
-Quem és tu Romeiro?
Este,retirando o capuz,retorquiu:
-Nimguém!..Nimguém!..

i´m felling so hapy
my baby is waiting for me behind the sun
and i love her when she look the seagul smiling

Um abraço cheval

Pedro

De ladoalto a 22 de Junho de 2006 às 10:38
ops!..
na realidade,o que o Romeiro retorquiu,foi
-"Ninguém!..Ninguém!...
he!he!he!

Comentar post