nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Quarta-feira, 16 de Maio de 2007

As árvores morrem de pé

A Câmara Municipal de Tavira, procurando adicionar uns euros às suas receitas próprias, decidiu vender a madeira das bermas da estrada municipal que liga a cidade à simpática povoação de Cachopo.

Eucaliptos ornamentais, de grande porte, que levaram anos e anos a crescer. E no instante que demora uma assinatura adjudicou-se a sua eliminação!

Se eu escrevesse para o «Contra Informação», certamente diria que Tavira está na vanguarda!

Depois dos municípios livres de armas nucleares e dos municípios livres de trangénicos, surgem os municípios livres de eucaliptos. Corta-os sem piedade, sem hesitações, porque a liberdade é difícil de conquistar!

Ou, se escrevesse para o «Gato Fedorento», abordaria o ocorrido de um ponto de vista mais ácido: Tavira tem um movimento vegetariano racista. Não é contra os pretos, nem contra os chinas, é contra os eucaliptos!

Cortem-nos e devolvam-nos à Austrália, ou lá para onde uns senhores doutores e engenheiros dizem que essas horríveis árvores vieram!

Deixando as graçolas idiotas, o que aconteceu na estrada Cachopo-Tavira mostra a enorme e reprovável insensibilidade de uma infeliz decisão autárquica.

A primeira consequência é que a parte intervencionada da estrada ficou feia e inóspita.

A enorme quantidade de eucaliptos de grande porte tornavam a estrada aprazível e convidavam a passeios até Cachopo. O seu desaparecimento incentiva a fugir para outro lado!

O turismo no interior certamente fica grato à Câmara Municipal por este contributo, e os cachopenses até talvez o sintam directamente nas suas carteiras, com as receitas provenientes do turismo que deixam de entrar.

Não é transformando estradas acolhedoras em desconfortáveis que se apoia o turismo no espaço rural, e nem todos os desdobráveis e folhetos que alguém faça agora com o papel produzido a partir das árvores cortadas serão suficientes para colmatar o mal estar que se sente naqueles quilómetros.

Todos sabem, também, que decréscimo de turismo no interior é sinónimo de mais abandono demográfico, envelhecimento e morte...

Outro argumento, que terá sido enunciado pela Câmara Municipal, é o da redução do risco de incêndios florestais. Totalmente errado!

Quem não sabe que nenhum incêndio começa em árvores de enorme porte, mas sim em vegetação rasteira e arbustiva?

Bastava manter limpas as bermas de lixo, ervas, ramos e arbustos. O risco de incêndios seria nulo ou mínimo!

Agora, a partir do próximo Outono, nessas bermas de estrada crescerão ervas, estevas e alguns outros arbustos, aproveitando os espaços abertos.

Essa vegetação, pelas suas dimensões e características, vai ser facilmente combustível e o risco de início ou propagação de incêndios florestais ficou, afinal, agravado.

Muito mais se poderia escrever sobre decréscimo da segurança rodoviária e sobre aumento da instabilidade dos taludes limítrofes à própria estrada.

Enfim, limito-me a desejar que a Câmara Municipal de Tavira se apresse a repôr, na medida do possível, a anterior situação, replantando as bermas com espécies adequadas. Mas, por favor, não escolham acácias, mesmo que se saiba que crescem muito depressa...

Aplique-se o princípio do «poluidor-pagador», ou melhor, do «destruidor-recuperador».

*professor da Universidade do Algarve, especialista em Desertificação, residente em Tavira

10 de Maio de 2007 | 13:21
Nuno Loureiro*

publicado por vítor às 23:46
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Manuel Ramos a 17 de Maio de 2007 às 22:52
Um abraço Vítor,
Agora sim, estás a todo o vapor. Acompanho-te aqui em Silves.
A propósito deste acesso fundamentalista do teu Macário, fica com o link de um colega de escola e amigo meu que é maluco por árvores (dos eucaliptos e das acácias nem tanto !).
Um abraço.
http://sombra-verde.blogspot.com/
De Zé Florestal a 19 de Maio de 2007 às 23:53
Este Sr. que se diz Prof. da Ualg tem uma imaginação muito fértil. Gostava que me indicasse as zonas e as respectivas distâncias que ficaram - seguando suas palavras - DESERTAS. Nos 20 Km de estrada intervencionadas gostava realmente que me indicasse o impacto, pois não estou a ver qual é o problema de cortar eucaliptos e deixar crescer alguma vegetação autóctone tal como ocorre na N2.
Depois conversamo, a seu tempo.

Comentar post