nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

Poemas de Amigo III

 

 

 

 

 

A propósito, conheces a destreza dos sinais

do vento, a dissecação de rumores subindo

pelo corpo ao murmúrio dos cabelos. São

desenhos que alimentam o olhar fugidio pela

água parada, a procura de pequenos animais

ancorados numa distância irremediável. Em vão

segregas outros rumos inclinados, pormenores

de infância vaticinam a indolência das palavras

onde escarras os dias. Surge uma casa

ou outra casa onde te convidam ao aconchego

de trocares os atalhos da pele. Saberás,

mesmo no escuro, ler um corpo palmo a palmo,

onde descobres um coração pernoitando só,

ao leres devagar a humidade muita pela

casa acesa.

 

Acordas aí da modorra de pequenos cristais de

solidão, sabes que é inverno e caminharás

para dentro e para fora da indizível língua

de fogo para repousares no vértice da água.

 

 

 

 

 

                        O cavalo acende-se por si

                   quando uma nêspera que cai apresenta 

                   um pássaro comedoiro.

 

                   Quando o animal hipantropo não perfuma

                   os recantos inacessíveis       eis um vento azul

                   que pernoita os sulcos quase verdes

                   da fome e da sombra.

 

                   Mesmo quando se não acende

o animal existe!

Risca a ressaca dos muros com mãos de relâmpago

                   e troveja ainda no crepúsculo dos galos...

 

                   Às vezes sobra a noite quando

                   uma rusga de silêncios

                   cai apagada

                   sobre a fuligem do cavalo.

 

                   O cavalo acende-se por si

                   perante o não sol.

 

                   Mesmo quando a bruma deambula

         de rosto em rosto!...

 

 

 

 

                            Digo o fim da rota

                            remota               

                            enquanto se não reinicia.

                                       

                            Respiro veloz a voz que percorre

                            o rosto da vela inacabada.

 

                            Rente ao fulgurante vento         

                            a esconsa rua

                            o corpo sentado à beira-mar.

 

                            Não vejo os barcos. São mil.

                            Enquanto nómadas no deserto do mar

                            sei

                            da lua não

                            mas os caminhos...

 

                            A parede do gesto repete-se.

                            Digo o fim repetido.

 

 

 

 

 

 

 

                                      ELEGIA DAS BOAS MANEIRAS

 

 

 

 

                   Obrigado obrigadíssimo obrigadinho obrigadão

                   é assim esta canção

 

                   Obrigadão obrigado obrigadíssimo obrigadinho

                   é assim tanto carinho

 

                   Obrigadinho obrigadão obrigado obrigadíssimo

                   é assim o vil ofício

 

                   Obrigadíssimo obrigadinho obrigadão e obrigado

                   já me sinto deslocado

 

 

 

                            Sei que sou por vezes inconsequente

                            porque não entendo

                            a beleza

                            da violência física...

 

 

 

 

                            tenho um grilo em casa                       

                            um charro no bolso

                            alguém no coração

                            um polícia em cada desgraça...

 

                            sou da mulher

o cigano de feira em feira

                            da mulher...

 

                                   será a ideia de deus mais útil

                            do que outra ideia qualquer?...

 

                            quase tudo faremos por uma sanduíche

                            d eternidade...

        

 

                                        MONÓLOGO

 

 

 

                     Criação:

 

                     vivem pelas arqueologias do silêncio

                     reunidos durante as cálidas insinuações

  do fogo sob a pedra

 

  Orgasmo:

 

  palavras marmóreas aéreas descem

  à fixidez do vermelho

 

  Solidão:

 

  a solidão transporta o rosto

  para a penumbra dos esgotos

  única musiqueta de todas as maneiras

  intransponível

 

faca

 

  aparecem na babugem os peixes mortos

  até isso te vai parar

  às tuas mãos sózinhas

 

  Morte:

 

  sibilina modorra desprende a língua do fruto

  na mutação das chuvas o rio engorda

  um objecto cortante arde-te frio nos dedos

 

  sei a pulsação do sangue

  digo logo para mim

  essa nuvem

  rebente profusa em teu pobre peito

( de Rui Dias Simão )

 

 

marcadores: ,
publicado por vítor às 22:35
link do post | comentar | favorito
|