nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2007

Poemas de Amigo II

 

 

 

 

 

 

Do pó das escadas

dos novelos das estalagtites

das aranhas

ressurgem as memórias da ternura

das tuas mãos prestáveis

à procura de uma pequena luz deixada ca-

ir no chão: um beijo

na sincera era do galope.

 

Estarás em casa?

 

A seta indica o regresso da tribo intacta:

tua boca na minha rua pelo universo fora.

 

Ver-te-ei daqui

quando te sonho fora do sonho?

 

O arco-íris do vento

das searas no polegar dos pastores

tem constelações de Miró na cabeça. Ora

essa:

 

na paisagem constipada

quando perco alguns sossegos

começo a sair à noite

repenteado de morcegos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A progressão aquática da vírgula descalça o

náufrago – olhos de dezembro

na miopia das areias rastejantes, é assim

o recomeço de todas as linguagens.

 

A árvore o barco a quilha da vicissitude

aquática

o mimetismo da espuma no núcleo

da sombra

quem espreita pela fechadura de deus?

eis um resultado nómada.

 

40 braços do que pensas enquanto

o sonho levanta uma heresia?

 

A progressão aquática da vírgula

descalça o náufrago.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Julho é sempre um mês de adormecer

sobre a água. Ou de morar dentro das

árvores e demorar. Tanto faz. O corpo

não hiberna nas ideias nem nunca é julho.

Sou filho do espanto e não sei pensar.

Minhas palavras não sabem dizer

bom-dia. Nenhum sexo rima nenhum

pudor sonha. Sequer o meu barco é de

papel. A minha poesia é apenas pura dentro

do sono mimético da curva: o olhar parado

na sua estreiteza – a sede a miragem

o deserto.

 

Julho é quase sempre um mês de adormecer

sobre a água. Mas a saudade não deixa

ninguém dormir. Devo dizer: julho,

esse lento animal, é este tempo de sonhar

sobre o começo da pele na nudez incerta…

 

Da água nascem os bichos, único gesto

que se desprende do mar;

a mesma ilha sobre o dia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Todo o homem merece um automóvel

(um automóvel melhor)

um cão para vigiar a virgindade das plantas

uma língua tatuada de camões

e um saco de plástico

para as indisposições…

 

Todo o homem merece… um sexo de dúvidas

Acompanhado de drogas legais

Um papagaio

Uma criada nua…

 

Todo o homem merece… uma ilha

Peneirada por borboletas nocturnas

Uma nota de música

A dizer-lhe que está sozinho

No centro da tela

Dos animais da sua cabeça…

 

Todo o homem merece

O seu nome de papel d embrulho…

 

 

 

 

 

                            AS PERNAS INTELIGENTES

 

                                                        para Rui machado

                                                        ou a felicidade por um fio

 

                           “O protagonista não concorda com o espelho”

                                                                           Almada Negreiros

 

                   nunca é triste dizer que sem a mulher

                   as palavras não seriam

                   a erógena maré sempre revisitada.

 

                   as pernas inteligentes dominam a paisagem

                   se um pássaro respira na curva dos joelhos

                   que nome dar ao princípio da alegria.

 

                   dize se uma lágrima

                   não pousa no recanto dum lábio

                   entre uma ternura uma cerveja.

 

                   as pernas intocáveis já não são

                   o centro do século

                   as ninfas pereceram sob os pés

                   brilhantes n areia.

 

                   compreender não é vulgarizar pres-

                   sentimentos

                   mas

                   os fios da libido que tecem a madrugada

                   conduzir-me-ão ainda a uma pele

                   sem riscos de moedas.

 

                           “A mulher com quem o protagonista vai

                             já não é a mesma que vai com ele”

                                                                Almada Negreiros

 

                   o lugar dela à janela

                   os dentes quase gastos das pastilhas

                   os cães.

(de Rui Dias Simão)

 

 

 
marcadores: ,
publicado por vítor às 21:40
link do post | comentar | favorito
|