nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Quinta-feira, 24 de Maio de 2012

o fedor das entranhas

 

(…) e continuava escavando,

escavando  a água que lhe escorria do corpo,

do interior da carne devoluta.

Atravessou a profundidade do princípio

através de árvores e pássaros

que o cumprimentaram com tristeza

estranhando a ousadia do cavador

desaparecendo na hiante cratera,

revelando o dentro onde a luz

varre a caverna essencial

para sempre corrompida. Cá fora

amontoam-se entranhas putrefactas

e repugnantes, instalação tempestiva

abrigando o futuro sanguinolento e breve.

A negritude das aves que disputam os escombros

traduz a poesia que se desprende das vozes,

do corpo escalavrado. (…)  e continuou escavando,

escavando o sangue que coagulava na ferida rasgada,

nos socalcos da escuridão que cediam à tristeza

dos citrinos. A lâmina dilacerante faísca

ao encontro dos sedimentos mais sólidos da paixão,

rasgando fraturas na indizível serenidade

dos rochedos fossilizados, desocultando

chagas cicatrizadas no antanho das palavras

ornamentais, esquecidas no interior das faces

labirínticas do corpo.

Argonauta no pus amniótico que envolve

a memória,  entranhando-se num mundo

de vísceras sem retorno, esquece a procura

dos primórdios fundadores da complexidade,

dos dias felizes maternais, afagos hipnotizantes.

As forças faltam-lhe por vezes na profundidade

 das sombras fazendo-o parar. Repousando

nos escombros flamejantes da viagem.

Os amigos recentes ficaram para trás e a claridade

da superfície é já um ténue fio acariciando

as paredes mornas da solidão.

Recomeças a perfuração dos estratos

mais longínquos com uma violência que desconhecias.

Voam fragmentos estranhos e incandescentes

sulcando a memória incompleta. Sentes uma

inusitada ereção perante as fêmeas expostas

que se te cravam na carne. Há mulheres saindo

 das sombras que te saúdam com o sexo húmido,

desafiando os medos acumulados em quartos

sem portas nem janelas, em fragmentos inatingíveis,

arquipélagos no imenso plasma do prazer que te

destrói a caminhada. Uma mulher que fodeste

uma só vez num molhe de uma praia deserta

arrasta uma criança que te olha de soslaio.

Só ingerindo a indigesta carne de cabra velha

poderás comunicar com os espectros

que vão pelo rio em sentido inverso.

Em vão agitas os braços, tentando

tocar-lhes com as pontas dos dedos.

Ultrapassas a cintura do sexo e penetras

um sedimento de lágrimas rasgando a lama

escarlate que emerge da sombra espessa e fria.

Ouvem-se gritos de crianças ansiosas, o vento

cala-se como se a noite se tivesse apoderado

de tudo e não precisasses de continuar a escavar

o que já não entendes como teu. Das vísceras revoltas

e ferventes solta-se um berro de recém-nascido.

O teu caminho chegou ao fim e um gato saltou

 para o berço que te acolhe. O choro para enquanto

o felino se enrosca no leito que é também o da tua mãe.

Resta-te, sem possibilidades de regressar aos teus pensamentos,

escalavrar os corpos dos outros.

 

O espelho não é tão aconchegante, mas revela cambiantes

externos que compensam o rumorejar das entranhas.

 

 

MG/VRSA

22/5/2012

 

 

 

 

 

sinto-me:
publicado por vítor às 17:04
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Maio de 2012

pássaros vadios





a porta abre-se

escancarando, subitamente,

as entranhas da tua moradia.


espreitam pássaros

vadios.
publicado por vítor às 14:19
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 10 de Maio de 2012

cicatricem

 

Ontem, aquilo que te preocupava foi apagado

da memória e empacotado em livros discretos,

suportes de um tempo lavrado na cal das paredes

expostas ao cruel sonho da opressão, ao medo

que estilhaça a caminhada pelo pó onde

os pés rangem na noite espessa e sussurrada.

 

Ontem, os escombros que rejeitaste no novo dia,

ainda palpitantes e revoltos da edificação caótica

da véspera, esconderam para sempre as cicatrizes

que te vincavam o caminho silencioso, tatuagens

efémeras queimando a pele, incendiando

o caminho sombrio que o vento açoita.

 

Eis que de súbito, ontem ainda, se levantam

ondas alterosas arrastando os que ousam enfrentar

o desconhecido, que desenham caminhos utópicos

rasgando o apocalipse, os ciclos repetindo o tempo.

Esta repentina alteração na dança dos dados lançados

na planície apanha-te – nos princípios – desprevenido

e à deriva. Reaprendes a erguer-te da superfície instável

do devir, os olhos procuram outros olhos que te guiem

na imensidão do caos. Reaprendes a conhecer o que

importa na voluptuosa insolvência dos incautos.

 

Quando a correnteza das águas amaina, compreendes

que estás só, que os que te acompanhavam seguiram

outras  veredas por entre os obstáculos salpicados

na imensidão do futuro. O tamanho dos dias que se estendem

diante de nós representa uma barreira na progressão, mas,

ao mesmo tempo, um desafio maior que te espera:

o curto espaço entre a vida e a morte onde

a cópula desoculta o caminho.

 

MG/VRSA   4/2012

sinto-me:
publicado por vítor às 16:52
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Maio de 2012

antologia 12 poetas a sul do século xxi

 

Meto-me em cada uma... o que me consola, pouco, é que há palermas, poucos, maiores ...

 

Tavira, 2 de maio, na Biblioteca Álvaro de Campos, perante uma plateia em estado de espanto com as diatribes do introdutor da obra.

 

Por pudor, e para vos poupar, apresento-vos somente a 1ª parte...

sinto-me:
publicado por vítor às 22:10
link do post | comentar | favorito
|