nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Sexta-feira, 29 de Abril de 2011

peixes de metal

 

 

Peixes de metal no meio da rua

 

É assim que os olhos determinam

O sonho arruinado envolto

Em profundas conversas inscritas

No palimpsesto do calendário volátil,

Determinam a divulgação que subsidia

E escancara as asas do desejo amaldiçoado

Avançando na página reescrita, esmagando

 A autonomia das palavras finais.

O olhar estende-se pelo leito da memória,

Atinge os colapsos da energia brutal da arbitrariedade.

Nunca apareças na noite inacabada,

O que sabes resgata o futuro concedido,

O reconhecimento destinado a liquidar

O vazio que apodrece no silêncio.

Na calçada que se estende até às águas

Desfilam peixes de ferro fundido

Que pisas recuando à infância feliz,

Ao rumorejante eco das mãos pronunciando

 O sorriso da noite. Da noite guardiã das falas

Fundacionais, da serenidade nauseabunda

Que te acorrenta os pés. É aí, na genealogia

Do medo, o território que te conduz os passos

Na irrepetível caminhada rompendo os tempos

Que te levam ao fim, à degradação inútil.

Libertas-te do manto moral que te aconchegou

Os dias e atravessas a luz que nunca

Ousaste ultrapassar, a fronteira que abre

As portas da violência falhada e orgulhosa.

E agora?, perguntas à insanidade que exala

Dos excrementos postos a nu pela ousadia

Empreendida. E agora?

Nunca há respostas quando penetras

Na solidez das águas, no ermitério que envolve

A enigmática escultura que desocultas

Da sociedade alienada e castradora,

Da multidão que se barrica, impedindo

A libertação das almas. Enfrentas o ódio

Que se ergue das entranhas públicas

Escarnecendo dos desperdícios libertados

Pelo consenso tribal e avanças como apóstolo

Do absurdo nas mordomias que a ti próprio impões.

O corpo cansado resiste ao sentido que desenhaste

No plano de fundo da tristeza. Resiste e apropria-se

Da vontade que contamina as leituras paradigmáticas.

Os peixes de metal guiam-te no caminho das águas.

 

VRSA   27/4/11

 

 

 

sinto-me:
publicado por vítor às 00:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Abril de 2011

apontamentos de Abril numa aldeia esquecida

No dia 23 de Abril de 1974, o meu irmão entrou para a tropa no Quartel da Atalaia em Tavira. Tinha o destino traçado: a Guerra Colonial. A família destroçada. Dia 25 de Abril tornou-se um soldado de Abril. A festa foi total.

 

Dia 25 de Abril, o meu pai escrevia no pontão que atravessa o ribeiro da aldeia "Viva Spínola". Passados alguns dias  caiava o nome que tinha grafitado antes e discursava na Casa do Povo da aldeia que lhe corriam nas veias glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e glóbulos socialistas...

No 1º de Maio de 1974, eu e outros rapazotes como eu pintámos uma enorme faixa onde se lia Viva a Liberdade e fomos a pé, gritando "o povo unido jamais será vencido, até Tavira para a grande manifestação que aí se realizou.

sinto-me:
publicado por vítor às 18:24
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Abril de 2011

eu sou a sombra do vento

Eu sou a sombra do vento,

a silhueta das almas que penetram

a caverna onde repousas os dias

sem retorno. Eu renasço

nos teus lábios quando

a  loucura se esconde no reflexo

do espelho acorrentado, renasço

para morrer em seguida no teu olhar.

Olhar que ampara a dor dos momentos

calados, inerte complexidade da rebeldia

projetada na parede turva do esquecimento.

Eu sou a morte que caminha

ao encontro dos sentimentos que se levantam

na planície instável, ao encontro

dos outros que emergem da noite

e espalham o medo na nostalgia dos incautos.

As tuas mãos afagam-me o cabelo sinuoso

e acalmam a podridão que escorre das pedras.

Só assim se compreende a inquietude das bocas

moribundas, escancaradas na exaustão

das fraturas reverberando o sexo encantatório.

Eu cubro a pele que me recebe pulsando

nas calmarias do pesadelo de sangue, espojo-me

no suor erótico das membranas latejantes

atingindo orgasmos irretletidos.

No barco em que navego ao encontro

das janelas da alma diviso o murmúrio

 dos vagabundos que se aventuram

nos campos ébrios da batalha sem fim,

imprimo os passos que lavram os planos

divergentes da memória coletiva.

Eu sou a sombra do vento e ardo

nas tuas coxas voláteis.

 

Cativa 10/4/2011

sinto-me:
música: the answer my friend is blowinng in the wind - bob dylan
publicado por vítor às 15:30
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 10 de Abril de 2011

BRUTAL!!!

 

 

Brutal é um romance onde se representam todos os traumas da infância, da adolescência e da idade adulta resultantes da decadência humana: violência doméstica, abuso sexual e disfunção emocional. Brutal tem como base narrativa dois personagens que são um só – um jovem e um velho, duas idades da mesma pessoa, ambos fascinados pelo teatro – que, no cenário das suas próprias vidas, dramatizam impiedosamente os momentos que fundamentam e marcam as suas existências. Nesse palco do romance são postos em causa e analisados, até à humilhação de se sentirem culpados um do outro, na relação perversa que ambos sentem pela natureza humana. É um duelo entre a maldade e o remorso, onde o amor e a escrita são meros figurantes.

 

O novo livro de Fernando Esteves Pinto na Babel. O meu amigo, e sócio na editora 4águas, Fernando em grande. Merece-o. É um escritor fabuloso e um trabalhador incansável.

sinto-me:
publicado por vítor às 14:52
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

palavra ibérica

 

Há sempre um escritor desconhecido entre o almoço e o jantar...

sinto-me:
publicado por vítor às 22:23
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Abril de 2011

transeuntes 2 edições CATIVA

 

À venda, quase só, aqui no tasco.

sinto-me:
publicado por vítor às 14:00
link do post | comentar | favorito
|