nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Domingo, 26 de Dezembro de 2010

BOAS FESTAS E BOM ANO NOVO

Hoje, para vos desejar BOAS FESTAS e um belíssimo ANO NOVO, vou deixar-vos um poema da minha mãe. Sim, a minha mãe Rita é poetisa com obra publicada, com prémios vários e carreira consistente, aqui para o Sul. Não tenho distância suficiente para apreciar a sua poesia, embora me pareça distante. Mas, também, o que é que isso interessa? Eu, até, em regra, não gosto de poesia.

E, já que estamos de sentimentos à flor da pele, convidemos o meu pai para as festas.

 

 

 

segui sem rumo pela estrada da vida

caminhei a seu lado em curvas tortuosas

pisei as pedras que me olharam vencida

e voltei atrás em passadas vagarosas.

 

devagar retornei ao ponto de partida

já cansada dos sonhos de caminhante

como utopia na luta já perdida

da vida já vivida e tão distante.

 

vencida olhei os céus do meu destino

como afago as estrelas me mostram

na torre da igreja aquele sino

aonde as horas da vida me marcaram.

 

parada fiquei na beira da estrada

não segui para diante o desconhecido

da minha alma saiu rouca gargalhada

do meu peito o grito há tanto reprimido.

 

 

Maria Rita Baptista - Sonhar Poesia -2001

sinto-me:
música: sôdade - Cesária Évora
marcadores: , , , ,
publicado por vítor às 17:39
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

excrementos involuntários

 

canalsonora

 

O meu amigo, e poeta enorme, Rui Dias Simão foi professor dois anos lectivos. Um em Rabo de Peixe, enquanto passeou, diletante,  os ossos pela Universidade dos Açores e pelos bares de Ponta Delgada, outro em Vila Real de Santo António. Este último ano lectivo foi bruscamente interrompido quando numa tarde, a seguir às aulas, foi beber umas cervejas e jogar snooker com os seus alunos. Enquanto ajeitava o taco para bater a bola branca, um aluno carambolou a frase que interrompeu uma rica, se bem que curta, carreira de docente. "Qualquer dia até o meu cão dá aulas", atirou, batendo com estilo a referida bola. Nunca mais entrou numa Escola... o poeta, bem entendido.

Vem isto a propósito de um certo livro de poesia que certo "poeta" lançou num determinado mês de dezembro, que por acaso é o que corre na graça de deus. Qualquer dia, até o meu cão, o possante Matrix, edita um livro de poesia.

Portugal é um país de poetas. É uma certeza que os portugueses, sobretudo os poetas, gostam de alardear aos múltiplos ventos. É um país de poetas como o são o Canadá, a Venezuela, a Indonésia, o Burkina Faso, a Nova Zelândia ou o longínquo Botão. Tirando o maior dos maiores, o Fernando, o excepcional Luís e o perturbante Aleixo, o resto não sobressai da floresta de poetas que polui e, na maior parte dos casos, corrompe o plasma que nos esmaga.

"Também tu brutus", digo eu a mim próprio associando-me à poluição vigente. São excrementos (da alma?) senhor, não leveis a sério. Necessidades que não pretendem ser mais do que um escape libertador da alma. Reação exigida pela ação. Sendo a primeira pior que a segunda que já não é famosa. O que me consola, que nos consola, é que o produto expelido não incomoda nem se acomoda  nos transeuntes. Não contamina nem dói a quem se exponha. Inocuidade sem mal. O que mais me preocupa são os amigos que, inconscientemente, me afagam o ego acreditando nas palavras incontinentes que se escapam da centrípeta vontade do emissor. Quem me dera nunca ter escrito uma palavra. Só posso prometer contenção, a osmose involuntária só parará com a morte. É uma doença cruel e crónica. O que me consola é a floresta que tudo abafa.

sinto-me:
música: quqlquer uma do zimmerman
publicado por vítor às 22:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2010

um homem que por acaso era eu

 

 

Outro com produção integral edições CATIVA.

sinto-me:
marcadores: , , ,
publicado por vítor às 11:38
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010

chegámos tarde e a noite avançou

 

Chegámos tarde e a noite avançou, o estatuto da noite não morava ali.

Quantas vezes tinhas empenhado as jóias que reverberam da cerveja bebida na tasca

depois da cerimónia da morte?

O objectivo era unificar a arte, a cultura e a terapia que sublinha

o rumorejar da ausência inerte.

A desesperança encontrava, na associação com os projetos de renovação,

direitos inapeláveis onde os gritos executam

a panóplia inacabada das competências esquecidas.

O morno escriturar da mitológica raiz na plenitude imprime a tatuagem larvar

do caminho interrompido , nudez do rosto avançando,  que aquece

a ordem na arquitetura do sonho.

Quando chegámos, os rostos que sobressaem da espessa penumbra,

rejubilaram de alarvidade.

Dás-me  contas da incompletude nas pegadas impressas de vida,

daqueles  que perdem a utopia viável dos cataclismos confortáveis e nus.

Agarramo-nos à insuficiência dos presentes e arrancamos palavras soltas,

inimputáveis e corruptas. O sabor do ritual irrepetível é uma onda

de desejo  que cumpre os critérios obtusos da multidão.

Os documentos são irreversíveis e envolvem vontades instaladas, revoluções

impraticáveis que renegam os pensamentos estultos e ressabiados,

emergentes da máscara desoculta na balbúrdia reflexa.

Os dias arrastam-se na envolvência das emoções inadiáveis, receita

da casa que não esquece os jogos arquitetados na distância da semente,

os dias são o que não entendes nos outros, as vidas que se cruzam

em múltiplas imagens no espelho paradoxal.

A maresia eleva-se dos espíritos que vagueiam no labirinto

catártico da poesia primordial. O elenco da putridão oblíqua

manifesta-se quando a lâmina penetra a frieza do olhar. É um desenvolvimento

esperado sem a aprovação dos que não dormem enquanto sonham

o desfilar das figuras fragmentadas pela  luz.

Retiras a sensatez aos que desprezam o inútil esculpir da realidade

suspensa no pesadelo das sombras.

 

Chegámos e o jardim contemplou-nos sorrindo na placidez da tempestade.

 

(Tavira, 27/11/2010)

sinto-me:
publicado por vítor às 11:01
link do post | comentar | favorito
|