nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Domingo, 31 de Outubro de 2010

um dia destes falamos

(Para ver sem som)
as coisas estão a melhorar mas ainda não é tempo de vos falar do sagrado

sinto-me:
publicado por vítor às 00:03
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 30 de Outubro de 2010

azeitonas retalhadas

 

Depois da alfarroba, vem o figo seco. Para torrar, para os doces de todos-os-santos (figos cheios e estrelas com amêndoa), para encerar e para levar à  destilaria fazer aguardente de figo. Passei. Depois vêm os marmelos. A marmelada, o doce de marmelo e a geleia já se servem ao pequeno-almoço, ao lanche e à sobremesa. Depois vem o vinho.Passei. Depois vem azeitona. Noutros tempos já tive azeite todo o ano e ainda para dar aos amigos. Varejar azeitonas é um suplício. Apanhá-las, super complicado. Desisti. Já as ofereci aos vizinhos mas nenhum, até agora, pareceu aceitar tão generosa dádiva. Hoje decidi-me apanhar algumas para conserva. Petisco admirável mas nada aconselhável para a saúde. Sobretudo para a próstata... Meti a pick-up debaixo de uma oliveira de frutos gordos e saudáveis, subi para as traseiras  e apanhei as melhores azeitonas da árvore.

Sei fazê-las britadas, retalhadas e de sal. As britadas são as primeiras. Ainda pouco maduras dá-se-lhes uma martelada e põem-se em água e sal. Muda-se a água de dois em dois dias e quando já estão comestíveis junta-se-lhes os temperos. Alho, poejo, orégãos e outras ervas aromáticas. As retalhadas, já maduras, levam cortes em quatro semi-meridianos e seguem-se os procedimentos das britadas. As de sal fazem-se a partir das azeitonas mais maduras, já arroxeadas, às vezes apanhadas do chão, e entremeiam-se durante um mês com sal. Depois são escaldadas com água quente e servidas com azeite e cenoura cozida. Hoje dediquei-me a retalhar azeitonas pela tarde. É uma tarefa perigosa. Roda-se a azeitona (movimento de rotação) e vai-se dando cortes (3 ou 4) longitudinalmente. Para além de salpicar sumo de azeitona por todos os lados, o que exige o uso de um bom avental, é um milagre não cortar os dedos. Tudo correu na perfeição e as azeitonas já estão em água e sal à espera que o tempo, e a mão do artesão, as tornem deliciosas.

Depois vêm as laranjas ...

 

Não há nada como viver num apartamento...

publicado por vítor às 23:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 23 de Outubro de 2010

a ganga da memória

 

O conhecimento e a arte só são importantes enquanto instrumentos de sobrevivência ou como ocultadores da morte. O resto... o resto é a ganga da memória. O supérfluo que rouba o esplendor ao crepúsculo...

sinto-me:
publicado por vítor às 00:17
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

Prémio Cativa IV

 

O  4º Prémio Cativa foi atribuído, segundo a lógica, no dia 10 do 10 do 10. Este prémio, com que esta modesta casinha galardoa alguém que se tenha destacado no campo da cultura, da solidariedade ou da defesa do meio ambiente, vai pela primeira vez para uma mulher. Uma mulher que se destacou, nos últimos anos, na defesa da educação e dos direitos das minorias.  A premiada, este ano, é Ana Drago, socióloga e deputada do bloco de Esquerda e, além disso, ... uma mulher bonita.

 

sinto-me:
publicado por vítor às 18:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

Tenho a comunicar-vos que hoje, ou melhor ontem, executei, para espanto e gozo da vizinhança (apesar de já habituada às excentricidades que se passam nesta quinta), a minha lendária dança ritual de fim de apanha das alfarrobas.

pgenzgtjfmdxnahgakc,codn o+ a4 fll,

sinto-me:
publicado por vítor às 00:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

claridade da sombra

 

Piso os paralelepípedos da rua molhada pela humidade vigente

Na esquina da anterior profusão de loucura, invento o entendimento

Possível com a escrita que se desembaraça dos outros cosmos

Sentindo a separação indomável, grito do resto da noite que caminha

Até ao fim da rua onde começa a plenitude do restolho húmido e mole

Do Inverno que se avizinha a jogar dados num gozo, numa futilidade

Que faz milagres nas ruas encantadas por físicos e outros mágicos revisitados

No ridículo de uma pedra saída do lugar na calçada luzidia, parando

A vontade dos que construíram a rua sem fim, publicando, simultaneamente, o decreto

Da interdição de parar.

Menos um entrave, diriam os hagiógrafos do local oculto  onde se repetem

As existências do real. Assuntos frívolos sem sentido intelectual, beleza que consiste

Na insolvência da poesia erótica. Coisa assim, ou sim sim, no foder incontrolado, apascenta

Os queridos caçadores de pseudodesenhos futuros, animação em plasticina, felicidade

Na ponta da piça, que serão os detentores do nosso voto: o futuro agora!

A propósito, amo pontos de exclamação, uma descoberta genial

Sem escolha, uma figura de cabeça para baixo na sombra das palavras. Pão e circo, orgia Romana, sombra, sombra ardente decifrando os quase famosos.

O futuro é agora! Vamos baixar as conquilhas experimentais da autocrítica. Baixá-las

Até a dor rasgar a genitalidade das criaturas emancebadas. Não há duas sem três, nem três sem outra vez.

Mais liberdade é um silêncio colectivo participando na instalação poética que divulga o halo

Anónimo de outras páginas. Do estertor da outra margem.

Caminho na rua molhada e resvalo na procissão dos que procuram a claridade da sombra.

 

Monte Gordo

11/10/2010

publicado por vítor às 17:17
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 9 de Outubro de 2010

vês o que estou a ver agora?

Por tua causa, agora que a moda os impôe quadrados, ainda uso os teus óculos. Agora que não tens idade, vemos, todos?, o que já vias.

sinto-me:
publicado por vítor às 19:41
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Outubro de 2010

para lá dos tempos

 

 

Era Agosto e o Verão de 1982. No dia 3. Os U2, praticamente desconhecidos, deslumbraram os que tiveram o privilégio de estar nessa noite mágica, no campo de futebol da pacata aldeia de Vilar de Mouros. Eu era um deles. A minha vida mudou até para lá dos fins dos tempos. Foi lá que conheci a mulher que desde então acompanha os meus dias. Até para lá do fim dos tempos.

Continuei a seguir a carreira fulgurante da banda e a ouvi-los. Nunca mais os tinha visto. No Natal passado, mão amiga, sabendo da importância da banda nas nossas vidas, ofereceu-nos dois bilhetes para o concerto, longínquo (no tempo e no espaço), de Coimbra. Dia 3 de Outubro de 2010. Lá fomos, sem os filhotes, como no início de tudo. Chuva torrencial na tarde. Os deuses protegem os audazes: uma noite maravilhosa.

 

Um concerto extraordinário, uma banda do outro mundo: um profissionalismo e um rigor insuperáveis, uma simpatia contagiante, uma parafrenália tecnológica louca e surrealista, um palco irreal e flamejante, uma massa humana rendida e em transe. A eficácia retira um pouco de emoção, o perfecionismo é inimigo da sensação. Aquela mágica noite no Norte não tem comparação... Tínhamos todos 20 anos, é certo...

 

PS: O filme, interessante como registo memorial, foi feito pela Bé.

sinto-me:
publicado por vítor às 18:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|