nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

a simplicidade faz-me feliz

 

 

Cale-se tudo o qua antiga musa ...

 

quando me dizes que tudo o que faço se contradiz na penumbra da ilusão, na obscuridade daquilo que se esfuma nas tardes difusas. respondo que a ilusão é o acidente que fratura o tecido das relações concretas, das ligações invioláveis, a fronteira entre o que sinto e o que tu sentes. aí, nessa intersticial terra de ninguém, a felicidade impera. a simplicidade não se opõe à complexidade: os laços que construímos e construimos serão a razão da vida que nos une.

sinto-me:
publicado por vítor às 15:11
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Setembro de 2010

a primeira casa

 

Esta é a tua nova casa

Uma casa onde não conheces ninguém

E onde te podem receber como um intruso.

Entra como se a confusão que transportas

Não te curve o peito

Mas não mintas, não te finjas sereno

Os que habitam a casa

E os que, como tu, a irão habitar, serão implacáveis

Com as similitudes da falsidade

Transpõe a porta e aceita o que te vai envolver

Não sonhes alto, não vaciles nem cedas perante o medo.

O impossível é um conjunto de pensamentos

Que se apoderam de ti, que te atiram contra as paredes caiadas

Do frio que consome as criaturas sem destino.

Não pareças um indivíduo sem raízes,

Puxa-as para dentro de casa sabendo sempre que restarão

Filamentos que se agarram às terras, aos caminhos,

Onde já foste o que não és.

Ninguém cabe totalmente num espaço edificado por outros

Nem nas amizades por construir.

O que te interessa é o colocar das pernas no perímetro futuro,

Arrastar os passos sem considerações pré-concebidas,

As pernas arrastar-te-ão no sentido do inacabado

Na irresistível corrente de lama que respira na noite.

 

Agora a tua viagem será no interior das paredes sólidas da solidão.

Vai e nunca refiras que é a tua primeira casa.

 

Vila Real  1/9/10

Monte Gordo 14/9/10

sinto-me:
publicado por vítor às 21:03
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Setembro de 2010

o tempo que torce as vísceras já nuas

sinto-me:
marcadores: , ,
publicado por vítor às 16:50
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 7 de Setembro de 2010

alf@, trabalho e curtição

 

Setembro é um mês terrível. Recomeça o trabalhinho que permite obter  as coisas para o dia-a-dia, inicia-se a campanha da alfarroba. O preço cada vez baixa mais ( o ano passado a arroba era a 4.80 €, este ano é a quatro) e a paciência cada vez é menor. Como já vos disse é um trabalho bom para filosofar, para o encontro connosco e com a "natureza". Mas passar horas a varejar, a apanhar e a transportar as sacas para o armazém é um exercicio de filosofia zen que me começa a pesar. Este ano, ando na campanha com o meu filho mais velho. É uma epécie de represália pelo seu primeiro ano de faculdade desastroso. Coitado, doi-lhe tudo e arranja todas as desculpas possíveis e imagináveis para se cortar.

Para o ano tenho que arranjar alguém que me faça o trabalhinho. Como?, não sei ainda bem, mas alguma coisa se há-de conseguir. O que me consola é que o trabalho na terra funciona como a frequência do ginásio. Já começo a ficar com um cabedal de fazer inveja aos cinquentões, e às cinquentonas, cá da terra...

Ainda por cima, o trabalho/trabalho, este ano,  tem a novidade de se iniciar com os tais de mega-agrupamentos e tem sido uma mega confusão. Mas não há-de ser nada.

Temos portanto uns dias em cheio: de manhã e parte da tarde, mega trabalho com novas caras, novos espaços, novos procedimentos, novas manias e novas confusões; ao fim do dia, alfarroba e mais alfarroba; à noite, aniversários de amigos, amigos que chegam e que partem (copos e tabaco em excesso), filhote mais novo que sai com os amigos, etc,etc,etc. Tem sido duro. Amanhã, tudo recomeça.

 

O que me consola é que, depois de um Verão extremamente longo e quente, vem aí a chuva e o frio...

sinto-me:
publicado por vítor às 23:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Setembro de 2010

comunidades efémeras

 

Velho antropólogo atravessando o Atlântico para estudar comunidades efémeras numa ilha exótica.

 

Enquanto o tempo se escoa lentamente ...

 

 

Entranhando-se no espírito do "campo" ( até a barriguinha é fruto de preparação prévia para a observação participante...).

 

 

O trabalho de campo é, por vezes, duro e solitário. No entanto...

 

 

... sem uma boa equipa de trabalho, coesa e competente, todo o esforço seria em vão...

 

 

" Eu venho de muito longe, eu venho de muito longe. Sempre à beirinha do mar, sempre à beirinha do mar...". Versos de uma conhecida música para entreter comunidades efémeras.

sinto-me:
música: Bailinho da Madeira
publicado por vítor às 17:29
link do post | comentar | favorito
|