nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009

a ignorância precede o desejo

 

Quando a jovem entrou no café, o indivíduo-sem-qualquer-referência engoliu o café num trago. Caíu-lhe nas vísceras aos trambolhões e fê-lo soltar um pequeno arrôto. Ruboresceu com o facto.

A Jovem tinha umas mamas alto lá e uns lábios grisalhos como o dia.

Era Outono e não chovera ainda. O pó dos meses acumulava-se nos passeios e assinalava os pés descalços da recém entrada.

Quando encostou as referidas glândulas mamárias ao balcão, o educado cavalheiro, aproveitando a ausência inexplicável do empregado, não se conteve. Deixe-me ter a honra de servi-la. O que deseja? Chupe-me os seios, disse ela sorrindo sem maldade.. Mas, balbuciou o prestável senhor,  não sei se este estabelecimento comercial tem licença para tal prestação de serviço.

Então a sua ignorância transcende o meu desejo, questionou a apetitosa moçoila.

O tempo, que estava quente, pareceu arrefecer um pouco e um vento acre e silencioso entrou de mansinho pelas janelas entreabertas do café.

A ignorância das pessoas precede sempre a fragrância dos desejos. Assim sendo, o seu pedido é um serviço que prestarei sem remorso. Venham de lá essas mamas.

Nesse entretanto, o empregado entrou de mansinho na penumbra esotérica da volúpia e esperou desinteressado a finalização da delicada prestação. Afinal o estabelecimento tinha competência - e licença -, para mamadas e o incumpridor assalariado ficara comovido com o voluntarismo do cliente, que o tinha substituído numa falta sem explicação.

Serviço terminado, com satisfaçao de todas as partes, comemoraram, os três, com aguardente de figo.

sinto-me:
publicado por vítor às 17:36
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

Montain View de olhos postos no Quinta

 

Num blogue com um mísero número de visitas, quase todas por mero acaso dos transeuntes cibernéticos, ter uma percentagem significativa de visitas de Montain View é muito enigmático.

 

Será a CIA? A Google? O Mozilla? AOL? Silicon Valley de olhos postos aqui no modesto Quinta?

 

Da Califórnia ou de outro qualquer lugar, poderão esclarecer-me este número incompreensível de visitas a partir de Montain View?

sinto-me:
publicado por vítor às 18:54
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

maçarocas transgénicas, ervas daninhas, um agricultor despeitado e o presidente bonzinho

 

O que pensará disto aquele desgraçado agricultor algarvio a quem um bando de bárbaros eco-terroristas rebentou a pontapé 30 belas plantas transgénicas, aqui há alguns anitos?

 

E o próprio presidente da república, que se associou com tanta força à condenação destes adolescentes assassinos que tão friamente abateram umas dezenas de irradiantes maçarocas?

 

E as virgens dos comentários mediáticos que na altura se masturbaram, espumando das mucosas, nos jornais e tvs?

sinto-me:
publicado por vítor às 19:09
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

a caminho da ponta d`África

 

Ufa!!!!! Conseguimos!!!!!!

 

Já agora, e porque não um estágio preparatório em Moçambique?...

 

PS: Como vêem este blogue não descrimina pontos de exclamação. Nem outros sinais de pontuação, nem palavras, nem ... nada.

sinto-me:
publicado por vítor às 23:58
link do post | comentar | favorito
|

serviço mais que público

António Aleixo

sinto-me:
publicado por vítor às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Novembro de 2009

a alegria de ouvir ... espanta espíritos

... ou como se não fossem os fabulous four de Liverpool talvez nunca tivéssemos conhecido a alegria de ouvir Norah.
sinto-me:
música: Norah Jones - stuck
publicado por vítor às 23:06
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009

Um dos Nossos Nunca Parte

 

Entrou nA Tribo com a incomensurável responsabilidade de substituir o maior guarda-redes de todos os tempos dO Glorioso, Michel Preud`Homme (que, curiosamente, nunca foi campeão nesta sua passagem luminosa pelo nosso país).

 

Aos 22 anos tornou-se num dos mais queridos jogadores dos milhões de crentes dO Maior Clube do Mundo (embora os três homens aqui em casa  tivessem na altura  preferido Moreira, o melhor guarda-redes português da actualidade - nem sempre os melhores são os que triunfam).

 

Robert Enke nunca nos desiludiu, como jogador, como homem e como elemento dA Tribo. Por estes dias "escolheu" pôr termo à vida. Como dizia Tóni, um homem sábio, seu antigo treinador, "a vida é por vezes estúpida". É um desespero incomportável.

 

Saberemos honrar os nossos pela eternidade adentro.

 

PS: No que diz respeito ao QUINTA, também fica aqui uma palavra de homenagem à sua (à nossa) contribuição na luta pelos direitos dos animais.

 

 Robert Enke, aqui com o meu amigo Mario Rolla, feliz num estágio recente do Hannover em Vila Real de Santo António. Foto gentilmente surripiada de: Mario Rolla Sports Photos.

 

sinto-me:
publicado por vítor às 16:49
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Novembro de 2009

uma banda assim

 

 

No início dos anos 80 (século passado, portanto), movendo-se no eixo Avenida de Berna - FCSH - Venda Nova, Amadora, existia uma banda como esta. Éramos jovens e a vida toda estava por nossa conta. Os ensaios, no estúdio do Ramiro, na Amadora,  eram buracos no tempo, numinosos, fabulosos e irrepetíveis. Infelizmente todo o material gravado se perdeu. Os meios eram outros e as vidas complicadas dos "músicos" não permitiram guardar testemunhos únicos e fascinantes do trabalho produzido. Só  a memória e algumas arranhadelas coetâneas nas cordas das velhas violas tornam vivas as notas de antanho.

 

Não seria honesto da minha parte se não deixasse aqui a composição de tão efémera e flamejante banda:

-  viola ritmo e solo, Miguel; viola baixo(mão pesada incluida), Pedro Arroio; viola ritmo, Rui e Domingos; teclas, Eurico; viola e voz, Vítor e bateria,  Eduardo (Dadinho, o maior dos maiores).

Sete rapazes à procura de um sonho. De um sonho desfeito mas bom.

 

PS: É com a maior das alegrias que vejo o meu filhote mais novo a aprender a tocar  e a tirar já uns sons bem jeitosos da minha viola de há 30 anos.

sinto-me:
música: everybody knows there´s no blue - Kubrir na Estrada
publicado por vítor às 19:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 3 de Novembro de 2009

Claude Levi-Srauss

 

Fui estudar Antropologia por causa de Claude Levi-Strauss. Ou melhor, por causa desse belo livro, Tristes Trópicos. Uma das obras maiores da literatura de todos os tempos. Um jovem que lê a descrição de um pôr-do Sol como a que escorre das palavras de Levi-Strauss, ainda no navio que o transporta ao Brasil, nunca mais será o mesmo. Se não tivesse lido Os Tristes Trópicos, teria continuado à procura dos meus caminhos, sobressaltado e espantado, mas... não seria a mesma coisa.

 

Num serão/tertúlia, já aqui descrito no Quinta, tive oportunidade de conhecer um poeta brasileiro de Londrina, o amigo Valdir -  saravá Curitiba - , e voltar a percorrer as terras dos tristes trópicos. Mais tristes agora do que aquando da viagem de Strauss. Agora, na terra vermelha, germinam, qual feijão mágico,  CBDs (Central Business District) da mata.

 

Ainda há pouco tempo Jean-Claude Carriére, para comemorar os cem anos do antropólogo-filósofo, propôs-se entrevistá-lo. Strauss recusou polidamente dizendo:"Não quero redizer o que disse melhor anteriormente". Lucidez absoluta num século de vida.

 

Obrigado Claude

 

 

sinto-me:
publicado por vítor às 19:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 1 de Novembro de 2009

foi só um dia perfeito

 

 

O Verão continua. Depois da tempestade de ontem com a derrota dO Inominável, que me fez estar acordado até ás 4 da manhã ( o que vale é que dei um avanço enorme no livro do Loução sobre Templários e esoterismos), hoje, um dia perfeito.

De manhã, café e leitura do jornal no Chá Com Água Salgada, na praia da Manta Rota. Mar à vista. Passeio pela praia e almoço comprado em Cacela - febras com batatas fritas e arroz - para alegria do filhote e descanso do pessoal maior.

De tarde, rega das árvores mais stressadas da secura, café em Cabanas, à beira da serena Ria Formosa, visita à mãe e, novamente, rega. Em Cabanas encontro feliz com um velho amigo da aldeia, que não via há muito. O meu filho comentou a estranheza, dele, é claro, em relação ao meu amigo e à família. Bem diferente de nós. Nós todos turista pé descalço, eles todos domingueiros. Expliquei-lhe que aquele amigo querido tinha perdido o pai quando tinha dez anos e que tinha deixado a escola para trabalhar para a família. Ele, a mãe e uma irmã bebé. O pai tinha 40 anos. Ainda me lembro, com se fosse agora, dele a pontapear as pedras da nossa rua com a raiva da perda do pai. Trabalhou nas obras até casar. Depois, como o sogro tinha um barco, na dura labuta da pesca, até hoje. Até casar, andou sempre comigo e com os amigos de sempre, que estudaram até tarde. Gostava muito de aprender e pedia-nos  os livros que deixávamos de precisar à medida que íamos passando de ano. Sobretudo os de Geografia. Depois de casar, deixou a aldeia e foi morar para Vila Real. Passámo-nos a ver pouco. Os outros 4 amigos também seguiram os seus caminhos mas foram-se  sempre encontrando, até porque 3 vivem perto. Quando o 4º desce de Lisboa, onde vive, os encontros são memoráveis. Paralelamente às profissões do dia a dia, ligaram-se ao  ao teatro, à música, à escrita e às artes plásticas e o amigo pescador foi ficando nos recantos quase inacessíveis da memória. Nas tais noitadas de arromba, sempre nos lembramos dele e combinamos que para a próxima teremos que o contactar. Nunca aconteceu. Hoje trocámos de números de telemóvel e... para a próxima é que vai ser. Foi muito bom tê-lo encontrado. A seguir, visita à mãe e degustação dos tradicionais doces de figo e amêndoa do dia de todos-os-santos. Quando era menino detestava-os. Agora adoro-os. Estrelas de figo com amêndoas nas ponta e figos cheios são os meus favoritos. Regresso à Quinta e recomeço da rega. Enquanto as laranjeiras, noutro lado,  bebiam a água da rega gota-a-gota, eu regava, de rojo, as tangerineiras e outras árvores de fruto. De rojo a água, não eu. Este sistema de rega tradicional consiste em levar a água por um rego (um pequeno rio) até às árvores sedentas e alagar uma caldeira à volta do pé. Depois passar para outra árvore e assim sucessivamente. Vi,  no pátio das laranjeiras  da Mesquita de Córdova, um sistema muito parecido a este, certamente uma técnica trazida pelos árabes para a Península. Este método de rega é extraordinário: rega com eficácia e  permite ao trabalhador um trabalho lento, metódico e sempre em contacto com a água. O único problema é a lentidão da rega: regar uma laranjeira leva 5 minutos e sempre com a supervisão do trabalhador. 100 árvores são 500 minutos. Mais de 8 horas. Com a gota-a -gota regam-se 100, 200, 1000 em hora e meia e ainda por cima sem ser necessário trabalhador algum.Por isso as que rego de rojo são apenas cerca de 30. Para reflectir não há melhor. Uma auto-psiquiatria inqualificável. Depois, atira-me para o passado, longínquo e mais recente: longínquo quando toda a quinta era regada assim e eu, criança, brincava com barquinhos nos "rios" que o meu avô guiava  até às muitas centenas de laranjeiras; num passado mais recente, quando os meus filhos brincavam nos meus "rios". Agora só o meu cão Matrix e a minha gata Beti por lá aparecem a fazer companhia. Enquanto esperava que cada caldeira enchesse e antes de, com uma enxada ensinada, fechar uma "porta" e abrir a próxima, ia comendo romãs que apanhava nas vizinhas romanzeiras.

Finalmente, um cigarrito enquanto o Sol se punha por detrás do Cerro de S.Miguel. Um dia perfeito. Pelo põr-do-Sol, parece-me que o Verão se vai amanhã embora. Oxalá, estou à espera da chuva há muito.

(enquanto escrevia este atabalhuado texto, passámos para o outro dia. O dia perfeito já não é o de hoje...)

música: Lou Reed Perfect Day
publicado por vítor às 23:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|