nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Terça-feira, 31 de Março de 2009

Caminhos Sem Retorno

 

Alguns ficaram para trás

o caminho tinha buracos e sabiam-no

abismos laterais

e não os temeram.

Uns soçobraram nos primeiros palmos da curta jornada

atarantados pelo súbito levantar dos cabelos.

Os que presenciaram a aspiração das almas,

caíram um pouco com eles, mas continuaram a trilhar

a poeira dos atalhos.

 

As linhas que conduzem os gritos

levam-me a terras estranhas

onde os moradores enlatam sonhos

que engolem os que não sabem esperar

pelas imposições agrestes da morte.

 

Em Marrakesh dormimos nas açoteias doridas

do barro tecido a kiff.

Em Amesterdão dormimos com as mulheres

que não sabiam podar laranjeiras.

Em Bordéus dormimos no átrio da estação de comboios

com lágrimas partilhadas por todos.

Quando acordámos, muitos tinham voltado atrás

o medo toldara-lhes o futuro

as suas mães cantavam nos mares originais.

 

Tapámos os ouvidos com cera

e os pés voltaram a rasgar as sendas desconhecidas

do acaso.

 

Para onde queres ser levado?

Pareceu-me ouvir

vindo da intolerância espiral

das atitudes ateológicas.

 

Nunca um amigo uivará na noite

sem que tudo pare

sem que o rastejar dos sentimentos

se esboroe na areia das engrenagens.

 

Depois do amor chegam aqueles que o amor contem

os que não deixarão de nos acompanhar

os que são a carne que restará da carne

que a terra nunca há-de aceitar.

A carga tornou-se pesada

 e os pés afundaram-se nas águas rasgando o caminho,

impossibilitando a progressão de alguém na poeira lavrada.

Mesmo assim teimámos seguindo os mortos esquecidos

os sem rosto ecoando  antanho nos labirintos.

 

És a espuma silenciosa que se alevanta na proa

revolvendo as correntes inadvertidas do tempo

o nevoeiro que oculta a insensata correria

dos deuses.

 

Os homens não são o que a natureza quis para si,

os frutos contêm os genes da podridão

que alimentam o que renasce da escuridão prenhe de sabedoria

 

Olhas, então, para trás.

Nada do que vês te é íntimo.

As pegadas cruzam-se em bebedeiras estéreis,

em estratagemas frágeis que ocultam a memória.

Voltar atrás será uma aventura tão rude

como seguir em frente.

És tu que tens que decidir

sou eu quem escolherá o destino.

Resolvemos recomeçar os trilhos invisíveis

que se estendem pela imensidão do deserto!

 

Quantos ainda nos acompanharão?

Quantos desistiram exaustos?

Quantos voltaram a pisar os mesmos pés que os pés calcaram?

 

Nada interessa.

O que fazemos hoje iniciará pensamentos

anacrónicos amanhã.

E tudo recomeça a partir do lodo inicial,

nos primórdios da caminhada.

 

Eis senão que alguns se adiantam

 e se despenham na sofreguidão da jornada

no abismo que ampara e enternece.

Refulgem na noite e alcançam

as esculturas da libertação da morte.

 

Nada disso me interessa, nos interessa.

 

Fico só

eu e a imensidão dos nossos.

Ninguém é ele próprio

todos caminham à boleia de todos.

Só quando nos excluirmos da globalização da consciência

sairemos para sempre de deus.

O esquecimento varrerá as partículas que restam

e nada será tudo (como sempre foi)

A marcha que nos conforta a respiração deixará, então,

a podridão alimentar o retorno dos corpos.

 

(Este será o poema que encerrará o livro "Partículas" que com ele finda até ao fim dos dias)

 

 

sinto-me:
música: Blowing in the Wind - Bob Dylan
publicado por vítor às 18:38
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Março de 2009

Retrocessos e Luz

D. Maria II proibiu as touradas, em todo o território nacional, em 1836. Passos Manuel, ministro do Reino, lavrou e promulgou o decreto:"Considerando que as corridas de touros são um divertimento bárbaro e impróprio de nações civilizadas, bem assim que semelhantes espectáculos servem unicamente para habituar os homens ao crime e à ferocidade, e desejando eu remover todas as causas que possam impedir ou retardar o aperfeiçoamento moral da Nação Portuguesa, hei por bem decretar que de hora em diante fiquem proibidas em todo o Reino as corridas de touros."

O decreto foi às urtigas passados escassos nove meses. As poderosas forças da barbárie impuseram a sua lei e voltou-se atrás nos tempos.Mas a vontade de um homem lúcido e ligado às reformas do ensino e das mentalidades,  não pode deixar de nos impressionar pela sua precocidade e modernidade.

 

Vem isto a propósito da decisão da Câmara Municipal de Viana do Castelo em declarar a cidade como a primeira "cidade antitouradas" em Portugal. Seguindo o exemplo que 53 cidades espanholas já tinham dado, Viana do Castelo, corajosamente, rejeita a tortura de animais e abraça o futuro.

 

Se votasse em Viana, a minha cruzinha seria para quem ousou ser pioneiro nesta luta contra o obscurantismo do prazer pelo sangue.

música: Vira do Alto Minho
publicado por vítor às 14:04
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Março de 2009

Sexo Privado

O Adão regista tudo o que mexe na contra-cultura do sotavento e arredores. Lá esteve ele a filmar a apresentação do livro do meu sócio na 4 águas Fernando Esteves Pinto. Filmou, montou e divulgou.

No final da apresentação gerou-se uma conversa cruzada sobre o livro e o seu tema matricial: o sexo!  Como não podia deixar de ser, a Antropologia também quis acrescentar alguma coisita sobre o assunto. Como sabem, os antropólogos são especialistas nestas obscuras áreas do comportamento humano. O de serviço àquela hora é que parecia estar ressacado. Ou será impressão minha?

 

Filmagem e montagem de Adão Contreiras:

sinto-me:
publicado por vítor às 17:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 24 de Março de 2009

Uma grande penalidade do Além

Os cavalheiros dO Glorioso (refiro-me aos jogadores, naturalmente), sabendo que o penalty assinalado durante o tempo regulamentar tinha sido "inventado", deram dois de avanço aos leais adversários, durante a série de cinco penalidades tira-teimas. A generosidade não foi aproveitada (claro que nabos há em todo o lado, mas falhar 3 em 5, francamente) e lá tivemos que levar a taçinha ( sim, a taçinha, aquilo não vale a ponta de um corno) prá Luz.

 

O tal penalty fantasma ( que lamentamos sinceramente, ih,ih,ih...) não pode justificar, agora, a gritante falta de jeito para os marcar. Olha se os cavalheiros (perdão, os jogadores) dOs Encarnados fossem da mesma colheita. Nem empatado tinham no tal de período regulamentar. Jogam pouco, eu sei, mas nos penalties até não são dos piores.

sinto-me:
publicado por vítor às 19:09
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Março de 2009

FICÇÕES

 

Hoje comprei o livro "Ficções", de Jorge Luís Borges, por cinquenta cêntimos. Foi no Mercadinho em Cacela Velha. Por momentos pensei que fosse algum transeunte,  como eu ,a fazer de dono da tralha semeada pelo chão, a gozar comigo. O livro, edição Livros do Brasil, está em belíssimo estado de conservação e o vendedor, perante a minha incredibilidade, ainda me aconselhou umas partes da obra. Mais borgiano seria difícil ...

 

sinto-me:
música: Sagração da Primavera - Igor Stravinski
publicado por vítor às 23:37
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Março de 2009

Um Homem que por Acaso Era Eu

 

 

        Um homem saiu na paragem seguinte. Deixou o chapéu no cabide de espuma entre a noite e o dia. Saiu sem pensar na cor do futuro.

  Algures ( num bar? ) sentou-se alguém. Alguém, que para o caso era eu, pediu um telefixo .

  Do outro lado do mundo (do balcão?) trouxeram-lhe um crucifixo .

  Xô, gritou um homem.

  Os transeuntes apressaram o fluir das horas e fingiram saber como semear amendoins.

  Eu telefonei para longe, para o espaço envolvente dos dias sem sabor. Onde os pássaros não cantam sem apelos da sociedade civil.

  Os transeuntes começaram a chegar a casa cansados dos dias memoriáveis. Os autocarros foram vomitando semáforos enlatados enquanto um homem errava todos os alvos. Excepto o da sua preguiça solitária.

  Eu, um transeunte neutro de civilidade, telecrucifiquei um santo homem.

Xô satanás que arrepias a utopia!

  Um homem, que por acaso era eu, atravessou a rua deixando um sulco de raiva no alcatrão quente. Amarás os transeuntes que param, disse um profeta vindo de mansinho. Alguns ostentam medalhas de medo, comendadores da porcaria, heróis da merda .

  O país encharcou-se de pus putrefacto e casto. Os transeuntes percorrem o caminho sagrado da ignorância uivante. Nas cidades não há sementes de melancia e a violência desperta prenhe e nua. Como as virgens. Liga-se às ruas como mães a filhos sem pais.

  Um homem, que por mero acaso até  era eu, olhou para trás. O que viu aspergiu-lhe a memória de nós. Nós e a morte.

  O candidato sentou-se na escuridão. Era alguém com a violência domesticada e mostrou-o a todos.

  Alguns acreditaram na bondade do crime e aplaudiram implodindo as palavras. 

sinto-me:
publicado por vítor às 17:48
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Privado ... para o público

 

capa de Manuel Almeida e Sousa

Afinal a cerimónia é às 21:30 e não às 17 horas

 

Fernando Esteves Pinto nasceu em Cascais em 1961 e é co-fundador do "Sulscrito" - Círculo Literário do Algarve e co-coordenador do projecto Palavra Ibérica e da editora 4águas.

 

livros publicados:

- Na Escrita e no Rosto (poesia)

- Siete Planos Coreográficos (poesia)

- Ensaio Entre Portas (poesia)

- Conversas Terminais (romance)

- Sexo Entre Mentiras (romance)

- Privado (novela)

 

Na gaveta tem o romance que vai arrasar a literatura portuguesa: "Teatro Brutal". Não ficará pedra sobre pedra. Das ruínas fumegantes, outro mundo emergirá...

 

publicado por vítor às 21:15
link do post | comentar | favorito
|

pedalando na planície sombria

http://fundacaovelocipedica.wordpress.com/2009/03/18/muitas-tintas-muitas-linguas-7/

 

osalto

MAS

sinto-me:
publicado por vítor às 09:28
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Março de 2009

O soluçar de deus

Se tivessem tido um bateria como deve ser,  teriam ascendido ao mais alto patamar do Olimpo. Se não fossem eles teria sido o incompleto rapaz das aldeias insensatas. O que não diz quando sente a certeza das oblíquas afectividades avulsas. A sua presença foi alimento para almas esfomeadas na periferia do rebanho.

A revolução doi quando preenche os espaços vazios da solidão. Doi e corrompe a podridão do determinismo social.Do abjecto soluçar de deus.

 

sinto-me:
música: revolution - the BEATLES
publicado por vítor às 22:55
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 15 de Março de 2009

Poetas Fora de Prazo

 

 

na noite cálida que lavrou o tempo, o cálice ergueu-se pingando o vinho e tilintou nas esperanças da recusa de eternidade. a velhice saiu à rua e gritou aos ouvintes incrédulos a impossibilidade de regressar a casa. à casa dos teus avós. à genealógica euforia do devir. o mar entranhou-se, sem estranhezas, na confusão dos espíritos perplexos e aspergiu gritos de aflição na vizinhança amortalhada: a reacção foi desproporcionada à acção. gente, que ninguém soube de onde vinha, envolveu-se na contenda do cálice e das palavras. abafaram-se ideias de lucidez feroz. louca. os amigos enervam-se quando nascem profetas fora de prazo. profetas que conhecem os meandros das consciências estagnadas. das consciências marcadas pela violação dos direitos adquiridos no super mercado da sabedoria empacotada.

música: was hast du - Nicolas Lens (comp),Claron MacFadden (voz)
publicado por vítor às 00:44
link do post | comentar | favorito
|