nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2007

Bom Ano Novo!

Os meus amigos Sérgio Mestre, Telmo, José Francisco, Janaka e outros, num memorável concerto no Naval, em Olhão.

Que saudades!

Registo feito nos anos 90 pelo José Bivar.

http://margemdois.blogspot.com/2007/10/msica-completa.html

marcadores: , , ,
publicado por vítor às 00:46
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 30 de Dezembro de 2007

A vida boa dos homens



Não resisto a partilhar convosco o que li hoje numa daquelas revistas de género tão cool nos nossos dias. Esta,  virada para o sexo feminino, era uma das que acantona os homens num condomínio fechado onde dificilmente vegetam. Eu,  que considero que existem mulheres tão diferentes de outra mulheres e homens tão diversos de outros homens, que podemos encontrar mulheres mais próximas de homens e homens mais parecidos a mulheres, não compreendo esta necessidade de tornar estanques estes dois mundos em questão e de alimentar estes proselitismos através de órgãos oficiais de género.

No entanto, desta vez, a revista parece soçobrar (parece só, porque atribui a propensão do enigma ao malvado homem) e  pergunta "Porque será que os homens nunca ficam deprimidos?" A pergunta não tem muito interesse porque parte de uma premissa errada. A resposta, como é óbvio, também enfermará em logro. No entanto, neste caso,  funciona como um espelho para nos vermos como elas, as militantes revisteiras, nos enxergam. É essa explicação da impertinente questão que aqui vos deixo:

"Não é que eles não sejam imunes à depressão, mas a verdade (desconcertante) é que os homens têm cerca de menos dois terços de hipóteses de deprimir em relação a nós. Porquê? Existem diversas teorias. Entre as quais está o facto de, em geral, os homens terem uma vida mais fácil. Se não, pense connosco: não é verdade que que a maioria das mulheres que conhece continua a assumir a maior parte das responsabilidades pelos filhos e pela casa, independentemente de quantas horas trabalha fora?

(até aqui concedamos, embora cada caso seja um caso. Agora sim, o melhor naco da prosa)

Acrescem ainda muitos outros factores que, apesar de parecerem ninharias, fazem toda a diferença. Aqui ficam alguns: O mecânico (vida fácil onde, como é óbvio não encontramos mulheres) diz sempre a verdade aos homens; eles nunca ficam em fila de espera para a casa de banho (vê-se mesmo que a articulista nunca frequentou uma casa de banho num estádio de futebol); umas férias de 15 dias requerem apenas uma pequena mochila             ( mas... e o Castelo Branco, meu Deus!); o mesmo trabalho, maior salário; as rugas dão-lhe charme; o mesmo corte de cabelo serve-lhes durante anos, ou mesmo décadas (reaccionária!); eles nunca vêem o pó e a roupa suja que se acumula pela casa (será a miopia uma doença masculina?); só precisam de depilar (sic) o rosto e o pescoço; podem usar calções sem problemas de mostrar as pernas (?); (e agora o orgasmo textual) têm liberdade para decidir se querem, ou não, deixar crescer o bigode; e, por último, têm-nos a nós que os mimam todos os dias (que queridas!): Em suma, têm tudo para ser felizes.

Escusado será dizer que a subversiva  literatura entrou em casa  pela mão da  deprimida cá de casa. Eu claro sou o felizardo.
sinto-me:
publicado por vítor às 22:33
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Dezembro de 2007

O patriarca e eu



O Cardeal Patriarca de Lisboa D. José da Cruz Policarpo declarou, na sua homilia, que o "maior problema da humanidade é a negação de Deus". E insistiu que "todas as expressões de ateísmo,  todas as formas de negação ou esquecimento de Deus continuam a ser o maior drama da humanidade..."


 

Não me sabia tão perigoso para com a humanidade e o mundo! Ingenuamente pensei que problemas reais e muito preocupantes seriam os homens que se fazem explodir no meio de outros homens em nome de deus, as instituições religiosas que recusam o uso das camisinhas que poderiam impedir o alastramento da sida e outras coisitas do género.


 

Afinal a propagação do mal está em mim e noutros não crentes como eu. Ou será que o homem  tinha abusado do sangue de Cristo?



sinto-me:
marcadores: , , ,
publicado por vítor às 23:36
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 23 de Dezembro de 2007

Depois disto nem Sagres está a salvo



Depois de retalhado o triângulo mágico da Ponta da Piedade (na imagem a verde a área onde será implantado o Cascade Resort), já tudo é possível neste Algarve de resorts. Agora só falta o Promontorium Sacrum . O Resort das Descobertas e o SPA do Infante apontados ao mundo. Que belo monumento à globalização!

Olhem ao menos para o elucidativo caso das Canárias: mais resorts e mais turistas, menos receitas. Mais construção para receber mais turistas e conseguir mais receitas, destruição de um dos mais valiosos patrimónios naturais do planeta.

Digo-vos, o rendilhado das falésias da zona da Ponta da Piedade é, seguramente, dos pedaços de costa mais fantásticos do mundo. Mais fantásticos e mais frágeis...
sinto-me:
publicado por vítor às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 18 de Dezembro de 2007

ASAE OBLIGE



Meus amigos preparem-se para comemorar a entrada no Ano Novo, escorropichando pela última vez as vossas elegantes flutes prenhes de Murganheira ,  que para o ano terão de o fazer em copos de plástico. ASAE oblige .
marcadores: , , ,
publicado por vítor às 23:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Jesus e o Natal




(foto retirada do blogue A Poda de Árvores Ornamentais)


Não gosto nada do Natal e muito menos do "espírito de Natal". Penso que Jesus Cristo também não...
marcadores: , ,
publicado por vítor às 23:28
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Pescadinha de rabo na boca



1 - Um homem qualquer, num café qualquer, duma cidade qualquer, insurgia-se contra a falta de educação e a violência nas escolas. Portou mal, rua. Rua da aula. Continua a ser insolente, rua da escola. A  Escola é para aprender e não para aturar quem não se sabe comportar. Não sabe aproveitar o que lhe é dado, fora.

2 - Noutro dia qualquer, aquele homem, naquele café, naquela cidade,  insurgia-se contra a falta de segurança que varria o país. Roubos, tráfico de drogas e de carne humana. Assassinatos, violência doméstica, vandalismo suburbano.

3 - Este nosso homem, neste nosso café, nesta nossa cidade é cúmplice em 1 e conivente em 2.

4 - As escolas não  podem reproduzir mecanicamente o social. Premiar quem vem já premiado. Punir quem já chega estigmatizado. De nada serve agir de forma violenta (mesmo que escudado na lei e na regra) sobre quem só conhece a violência. A Escola tem de encarar a agressividade natural de certas crianças e jovens (a brutal reprodução social é mais feroz entre os indigentes e os marginais) como um desafio. Um trabalho intensivo e desgastante, mas um desafio, diria eu, aliciante. Como um engenheiro prefere um projecto de ponte sobre um largo e caudaloso rio, a uma ponte sobre uma ribeira insignificante. Como um actor se sente realizado com Shakespeare , e se cansa de teatrinhos com bêbedos, paneleiros e cornudos ( a trilogia que tanto faz rir os portugueses e que faz o sucesso televisivo de Malucos do Riso e Prédios do Vasco). Como ler um bom livro é mais aliciante (embora exija mais empenho e trabalho) do que seguir uma telenovela do "horário nobre". Gerir tempestades é muito mais  compensador que navegar em águas mansas.

5 - Excluir, o mais fácil, é desistir de alguém. É abandonar quem só tem a Escola como meio de se integrar. Quem só no seu seio pode aceder a "um mundo novo," um mundo de igualdade, liberdade e segurança. Parece mentira, face à transpiração  da "sábia "opinião pública, mas é aqui, na Escola, que grande parte dos jovens estão protegidos da violência e das arbitrariedades do seu dia a dia. Atirá-los borda fora, para além de abandoná-los cobardemente, é condená-los à pobreza e à violência sem fim.

6 - Sem possibilidades de se integrar, uns limparão retretes ( continuarão a ser pobres e ignorantes) outros entrarão nas vidas das noites eternas. Vingar-se-ão dos integrados assustando-os e maltratando-os por gozo e, sem dinheiro e sem poder, entrarão no mundo do crime para aceder a carros de luxo, plasmas, telemóveis, poder na ponta da baioneta, mulheres, roupas fashion , e outros luxos dos ricos e remediados. O seu fim será sombrio: nos escuros calabouços ou na precoce morada eterna.

7 - Quando um aluno diz, sorrindo maliciosamente, ao seu professor "da Terra à Lua são 380 000 Klms , não são sr . professor?" O professor devia responder-lhe:"Não sei nem me interessa saber!.
Quando um aluno diz, sorrindo com desprezo, pra qué queu quero saber co Marquês de Pombal fez a cama ós Távoras?" O professor deve responder que o senhor era "mais mau" cos homens em cuecas do Wrestling e assim instigar o aluno a investigar tão interessante personalidade.
publicado por vítor às 22:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

Obviamente demita-se


(retirado do Blasfémias)

Ao sr.  José Manuel Fernandes, ilustre director do Público, só lhe restava, no mínimo, uma saída digna: obviamente demitir-se!

Tão feroz defensor do rigor e da excelência de políticos e, sobretudo, de funcionários públicos, depois da manchete do Público de 2ª Feira ( em que revelava e relevava a vitória de Hugo Chavez no referendo) só este seria o caminho se ainda tivesse alguns restos de vergonha.

Pelos vistos, e utilizando uma metáfora muito do seu gosto, "a culpa vai morrer solteira".
publicado por vítor às 22:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 2 de Dezembro de 2007

Futebol de plasticina



Na minha aldeia, os rapazes passavam os tempos livres a jogar futebol. Esses tempos livres infindáveis, sem televisão, play-station e computador, de  peladas de horas, só eram, timidamente, interrompidas pela temporada do pião, do berlinde e pelos jogos de férias como as coboiadas, as corridas de caricas e os Domingos na praia. O futebol era rei e senhor. Era também o responsável pelos maiores castigos maternais. Calças rotas, cabeças partidas e deslocações fora do alcance do grito da progenitora eram motivos para a  maior parte dos dramas que afligiam a pequenada. depois cresci e enfileirei no futebol a sério, federado!, no distinto ( e extinto) Clube Desportivo Tavirense. Para os fiéis e infiéis, "O Desportivo". Foram anos e anos, de infantil a sénior, até me mudar para a capital para o tal de curso da praxe.

Por isso o pontapé-na-bola entranhou-se-me nos genes. Sou um transgénico. E como estes, a minha constituição genética é-me contra natura e irreversível. Transgénico uma vez, transgénico para sempre. E o mal que isso nos traz...

Hoje transporto a infelicidade de 6 000 000 de tristes que como eu têm como deus "O Glorioso, O Inominável".  A nossa vida flutua ao sabor dos  Seus desempenhos nas várias competições. Eu, hoje, sou um ente derramado nas calçadas da vida. Um ser em decomposição,  em processo entrópico acelerado. Sei, porque creio, que grandes dias virão. Só por isso não vou até ao fim. Do fim.

PS1 : Faço 50 anos em 2008. Na Primavera. Tenho poucas certezas na vida, mas tenho a certeza que se tivesse jogado todos os jogos dO Glorioso em lugar do Nuno Gomes, teria mais golos marcados do que ele.
PS2 : O Camacho foi um grande jogador. Talvez o melhor ala esquerda  que já vi jogar. Num Real Madrid de luxo só superado pelo Ajax dos anos 70, uma equipa com um futebol extraterrestre e, até hoje, inatingível. Mas como treinador... concedo percebe tanto como eu de servo-croata.
PS3 : O que me custa é ter perdido com uma equipa que não jogou nada, que não mereceu ganhar e que vinha de uma goleada com uma equipa de segundo plano no futebol inglês actual e ainda por cima treinada por um espanhol desconhecido.
PS4: A jogar assim temo pelos meus dias futuros...
sinto-me:
publicado por vítor às 19:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|