nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. O homem que nunca sonhara

. a vaidade

. a vida sem retorno

. um menino sábio

. um casaco negro

. uma camisola ensanguentad...

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. sonho

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Dezembro 2017

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Sábado, 14 de Maio de 2011

o tempo que falta

 

Fernando Esteves Pinto, depois do lançamento do romance "Brutal", em grande com um novo livro de poesia. A capa é linda, espero ansiosamente tê-lo nas mãos. O meu amigo e sócio é já o escritor do ano de 2011 em Portugal. E o ano ainda só vai a meio...

 

Texto escrito semi automaticamente sobre a poesia de FEP:

 

Fernando Esteves Pinto, uma arqueologia do sonho

 

A poesia de Fernando Esteves Pinto inquieta. Inquieta porque desce (sobe?) até aos socalcos mais profundos do inconsciente, revolvendo os sedimentos há muito estabilizados. A poeira densa que se levanta, mete medo. Os destroços fundacionais emergem quando a poeira turva assenta nas depressões matriciais. O espectáculo desocultado não é agradável a quem o presencia. Especialmente para o ente escalavrado pelas palavras que metralham a carne e violam a mente. A inquietude não constitui um fim em si. O desmoronar dos blocos constituintes do velho edifício, montados de fora para dentro, representam um desafio para o leitor que, assim, pode, a partir da sua nudez revelada, edificar uma nova construção mais ajustada à alma e ao corpo. O Fernando é um arqueólogo da alma, um cavador de pessoas, mas também um arquitecto da carne.

Quem lê e acompanha o evoluir da sua obra poética apaixona-se por esta dialéctica da desconstrução/construção, por estas vertentes aparentemente contraditórias: medo e desejo, caos e cosmos. Um perigo contínuo e magnético que convida o leitor a uma dança de máscaras onde cada um dos dançarinos se oculta por detrás da máscara de outro, não reconhecendo os limites que separam as identidades difusas que evoluem no soalho da vida.

“Para que uma coisa permaneça, aplica-se com ferro em brasa. Só fica na memória o que não pára de doer”, diz Nietzshe, na sua obra Para a Genealogia da Moral. Fernando Esteves Pinto escreve penetrando e desvendando a genealogia da libido enquanto contenda natureza/cultura. A natureza pouco aparece na obra do autor: antes constitui uma meta linguagem que se entranha nas vísceras entreabrindo, apenas, portas – às vezes janelas – por onde se escapam instintos que inviabilizam o conforto das certezas. É dessa substância  que encontramos numa passagem fabulosa no seu livro Ensaio Entre Portas: “”A porta da rua tem um sentido particular, ofuscante. É/ uma tampa indispensável que cai sobre as nossas costas/quando saímos ou entramos em casa. É um sinal de/interdição”. Tudo o que pretendi dizer até aqui, em quatro versos.

A arqueologia internalista (passe a redundância) transforma a vida em sonho, o que não significa que é menos real por isso. Fernando Esteves Pinto arremessa o leitor para um espaço inóspito, numinoso e ígneo, entre as sombras e a luz. Mas quem o lê terá à sua disposição uma escada para sair da caverna. Sair ou restar, será sempre uma escolha do leitor…

 

Conceição, 13 de Maio de 2011

 

 

sinto-me:
publicado por vítor às 16:55
link do post | comentar | favorito
|