nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Quinta-feira, 11 de Junho de 2009

torpor erótico

Anselm Kiefer

 

Trago os braços caídos. Dizem-me que é a mais triste das decisões.O peito não acompanha a marcha que empreendo. Mas a decisão está tomada. A partir de agora o caminho em que projecto as sombras do meu corpo será o mesmo em que imprimirei os pensamentos que elaboro. Poucos, que o tempo devora as ideias e, até, as ideologias.Os que me chamam das peneplanícies adjacentes, dos abismos perpendiculares, vão ter uma surpresa que os atormentará: levo os braços caídos e a mente não responde às interpelações gritantes que me tentam amparar.

Agora, o destino que aceito  é uma estrada que rasgo na direcção que nunca intersecta vidas tracejantes. Num sentido que é único e não admite desvios ou regressos. Não me venham acenar afectos. Não sorriam ao passar dum sujeito que se centrifugou, condensou toda a sua matéria gregária e se transformou numa negritude de chumbo de onde nada se escapa e onde nada se reflecte ou penetra. "Transforma-te naquilo que tu és" dizia, e dirá para sempre, Nietzsche.

O drama desta decisão é que ela, assentando no mais profundo dos sedimentos da irracionalidade, me é consoladora. E, racionalmente, aceite sem convulsões idiossincráticas. Um torpor erótico sem necessidade do outro. Um tempo que não resiste ao tempo e que perpétua a dormência matricial da memória que se apaga.

Transporto os braços cansados e o que os olhos me transmitem não fixo no pano oblíquo da memória. As longas jornadas que me restam riscarão o chão de forma imperceptível. Ninguém me poderá seguir, nem sequer detectar. Na imensidão das vidas dos outros, espectro e matéria, na incompreensível correnteza dos dias, irei conquistando a solidão. Quanto mais se amplia, mais e mais confuso será o caminho a percorrer. A solidão que emprenha dilata os campos a peregrinar. Peregrinação sem objecto. Viagem ao encontro do nada. Ilusão que confunde os que observam tão estranha caminhada.

Em alguns momentos reparo nas sombras que se deslocam acompanhando as trasladações do corpo. Do meu, que os outros vão longe e a horizontalidade das suas sombras confundem-se com a penumbra do chão difuso. As sombras que que abandono nos calhaus do caminho não contêm a posição dos braços. Caídos. Nelas, os braços apresentam o movimento pendular inverso normal dos braços dos caminhantes. Um avança, enquanto o outro recua. Os meus braços balouçam, levemente, como ramos de árvore na brisa. Vão e voltam com o capricho do acaso. Gémeos no movimento e no desespero. Sinais que rumorejam abandono e desistência. Um mundo neutro onde não há gozo nem dor.

publicado por vítor às 21:58
link do post | comentar | favorito
|