nunca incomodar... quanto mais sei mais sei que menos sei

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.votação

Pode Portugal sair da crise sem a ajuda da Troika?
Sim
Não
= ver resultados =

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.PRÉMIO CATIVA

07/2007 - Jorge Palma 08/2008 - Ricardo Araújo Pereira 09/2009 - José Bivar 10/2010 - Ana Drago 11/11/2011 - The Legendary Tiger Man 12/12/12 - Ricardo Araújo Pereira 26/12/13 - Rui Costa VII

.tradutor

.links

.subscrever feeds

blogs SAPO

.posts recentes

. Palermices à beira duma p...

. anos sessenta...

. sem ti sou nada

. última dissolvência

. 7 contos ilustrados

. o passado está ao dobrar...

. o canto suave das aves ne...

. a alma do outro

. depois da chuva...

. Cicatrices

.4 águas/cativa editoras

5 euros (livro) + 2.5 (portes) = 7.5 euros vgcardeira@sapo.pt

.partículas

.horas amargas

.marcadores

. 25 de abril

. 4 águas

. actualidade

. adão contreiras

. adolescência

. aldeia

. alfarroba

. algarve

. ambiente

. américa

. amigo

. amigos

. amizade

. amor

. animais

. ano novo

. anselm kiefer

. antropologia

. arte

. bailados na penumbra

. beatles

. benfica

. blogue

. bob dylan

. cabanas

. cacela

. cacela velha

. canalsonora

. capitalismo

. cativa

. cidade

. cinema

. conceição

. contos

. corpo

. crime

. cultura

. democracia

. deus

. edições cativa

. educação

. eleições

. escritores

. eternidade

. faro

. felicidade

. fernando esteves pinto

. fernando gil cardeira

. filosofia

. fracturas intermédias

. futebol

. glorioso

. história

. homem

. humor

. jornais

. liberdade

. lisboa

. literatura

. livro

. livros

. loucura

. mãe

. memórias escritas

. mentira

. morte

. mulher

. música

. noite

. olhão

. partículas

. pensamento

. pintura

. poema

. poesia

. poeta

. política

. portugal

. praia

. prémio cativa

. relatividade

. restolho

. ria formosa

. romance

. rui dias simão

. sexo

. sociologia

. solidão

. substâncias

. tavira

. teatro

. televisão

. transeuntes

. transeuntes again

. turismo

. últimos

. verão

. viagem

. vida

. vítor gil cardeira

. todas as tags

.vendo


My blog is worth $5,645.40.
How much is your blog worth?

.arquivos

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

Sábado, 7 de Fevereiro de 2009

Primeiro dia de Sol: uma tarde na Quinta

 

Primeiro dia de Sol no Algarve (o tal das milhares de horas que quase perfazem as horas todas do ano de possibilidade de...). Na quinta isto significa montes de trabalho acumulado nestes dias de chuva e frio.

 

Pôr o tractor a trabalhar para carregar a bateria (não é tarefa fácil tirá-la e levá-la à oficina carregar), podar umas árvores, cortar lenha para a lareira, arejar o armazém, vazar a fossa e o poço roto (sim, aqui no campo não temos os esgotos da cidade), tapar os buracos do caminho e... o mais agradável: dar uma volta de mota para carregar, também, a bateria.

 

Duro duro é cortar e rachar lenha à machadada (não me apeteceu aturar o barulho e as tremideiras da moto-serra). Durante muitos anos a quinta era auto suficiente em lenha para a lareira. E ainda é. Só que já não tenho tempo para a cortar. Agora, já há uns dois anos, telefono ao Sr. Custódio da Fonte do Bispo para me trazer uma tonelada de lenha, antes do mês de Novembro. Homem afável e conversador, é imbatível no preço e, como sou repetente, ainda não me aumentou o preço desde a primeira vez. A dita tonelada não chega para as necessidades que completo com alguma lenha recolhida na quinta. Este ano, demasiado frio e chuvoso, a tonelada já se foi e ainda temos mais 40 dias de lareira pela frente. Teimosamente, resolvi não comprar mais. Por isso tenho que cortá-la, transportá-la para sítio abrigado, até ao fim. Hoje foram duas horas a cortar e rachar. Como via fazer aos cavadores do meu avô, na minha meninice, cuspo nas mão e... pimba. Nunca soube se é para agarrar melhor o cabo, se para não maltratar tanto as mãos. Depois de algum tempo de massacre na lenha e nas costas e mãos e a ser açoitado pelo aquilão ( estou a ler a Eneida de Virgílio e aprendo lá esta palavras caras. Aquilão é somente o ... vento do norte) intervalei para dar a tal volta na minha velha e querida Honda. Rumo: Fábrica e Cacela Velha.

Tenho a sorte de viver bem pertinho de uma das mais belas regiões costeira do mundo. A fatia que vem de Faro até à Manta Rota e que se agiganta neste último quilómetro do Levante da Ria Formosa.

Na Fábrica, fumei um cigarro deitado no muro de granito (não sei porquê granito no Algarve mas é bem bonito) que ladeia a ria. Com a pedra irregular massajando as costas e o sol a aquecer o rosto, fui vendo a maré baixar e os conquilheiros avançar para os baixios da ilha. Ao fundo, pareciam astronautas. Os arrastões às costas mimavam  escafandros lunares.

Dali segui para Cacela Velha, o mais belo promontório da costa portuguesa. Espreitei o velho cemitério onde me recolhi perante o túmulo do meu antepassado matador de cobras, dei uma volta pelo povoado, observei o mar e a ria, Espanha e Monte Gordo (onde trabalho para ganhar o pãozinho) e fumei mais um cigarrito. Quando voltei,a  acelerar pela estrada fora, já com um frio de cortar, e guardei a velhinha viatura, já o Sol se escondia por detrás do Cerro de S. Miguel. Óptimo, podia recolher-me a casa, acender a lareira e... finalmente pôr-me a ler o Expresso.

 

Neste tempo todo, os meus filhos não deixaram, por um só momento, o ecrã do computador...

 

publicado por vítor às 22:26
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Manuel Ramos a 8 de Fevereiro de 2009 às 17:10
Grande dia o teu! Fizeste-me alguma inveja.
De comum, só o facto de andar aqui às voltas com a tradução do poeta de Cacela, Ibn Darraj , que não fumava cigarritos.

Comentar post